PUBLICIDADE
Topo

Fluminense muda visão no mercado e adota cautela em busca por treinador

Presidente Mario Bittencourt e vice Celso Barros trabalham, ao lado de Angioni, em busca de novo treinador - Lucas Merçon/Fluminense FC
Presidente Mario Bittencourt e vice Celso Barros trabalham, ao lado de Angioni, em busca de novo treinador Imagem: Lucas Merçon/Fluminense FC

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

02/10/2019 04h00

A diretoria do Fluminense busca um substituto a Oswaldo de Oliveira, mas a forma com que vem olhando o mercado tem sido diferente de pouco mais de um mês atrás, quando procurou por um nome para ocupar a vaga deixada por Fernando Diniz. E um dos fatores que ocasionam essa cautela maior é também a confiança conquistada pelo interino Marcão.

Quando demitiu Fernando Diniz, no dia 19 de agosto, a cúpula tricolor rapidamente definiu as prioridades e os alvos que se encaixam no que tinha sido desenhado internamente. Depois de contatos frustrados por Abel Braga e Dorival Júnior, o Fluminense anunciou Oswaldo de Oliveira no dia seguinte ao adeus de Diniz.

Com um rendimento de 38,1% - duas vitórias, dois empates e três derrotas -, o treinador não resistiu à fase ruim pela qual o time atravessa no Campeonato Brasileiro e foi demitido na última sexta-feira.

No último domingo, sob o comando do interino Marcão, o time tricolor venceu o Grêmio e conseguiu um respiro em relação à zona de rebaixamento. O elenco 'abraçou' o ex-jogador e ídolo do clube e levou uma tranquilidade maior à diretoria na corrida por um novo técnico.

Enquanto isso, alguns nomes foram discutidos internamente, como Felipão, que deixou o Palmeiras, mas alguns obstáculos fazem da negociação algo complicado. Outro nome na lista foi o de Zé Ricardo, que foi demitido do Fortaleza recentemente, mas não chegou a ser um consenso. Enquanto isso, o departamento de futebol busca um denominador comum para que uma negociação possa ser intensificada.

Em entrevista coletiva ontem (1), Nenê indicou que o elenco vai apoiar a decisão da diretoria, mas apontou uma necessidade de manter a 'filosofia de trabalho' que vem sendo implementada.

"De qualquer maneira vamos apoiar a diretoria, a presidência. Não temos que escolher nada. Gostamos muito do Marcão. Tanto ele ou se vier novo treinador o time está focado no que temos que fazer, trabalhar e procurar fazer o melhor dentro de campo para sair dessa situação. O Marcão foi bastante bem nesse jogo, a torcida gosta, [ele] é ídolo. Para a gente, nas duas opções não creio que tenha diferença muito grande. Só se a filosofia de trabalho, se chegar um novo, for muito diferente do que havíamos treinando", disse.

Paralelamente a esse trabalho da diretoria, uma parte da torcida do Fluminense tem utilizado as redes sociais a favor de uma efetivação de Marcão.

Fluminense