PUBLICIDADE
Topo

'Vamos apoiar a diretoria', diz Nenê em relação à escolha do novo técnico

Nenê deve voltar a ser titular do Fluminense - Lucas Merçon/Fluminense FC
Nenê deve voltar a ser titular do Fluminense Imagem: Lucas Merçon/Fluminense FC

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

01/10/2019 16h22

O Fluminense ainda busca um novo técnico para substituir Oswaldo de Oliveira, demitido do comando do time na última semana, após empate com o Santos. Enquanto a diretoria está no mercado, Marcão vem comandando a equipe interinamente - venceu o Grêmio no último domingo.

O meia Nenê, um dos mais experientes do elenco tricolor, salientou que o grupo vai apoiar a decisão da cúpula, seja ela trazendo um novo nome para o cargo ou efetivando Marcão, apontando foco para sair da incômoda situação no Campeonato Brasileiro. Atualmente, o Fluminense ocupa a 16ª colocação, com 22 pontos, três a mais que o Cruzeiro, primeiro time na zona de rebaixamento.

"De qualquer maneira, vamos apoiar a diretoria. Não temos que escolher nada. Gostamos muito do Marcão. Tanto ele ou se vier novo treinador o time está focado no que temos que fazer, trabalhar e procurar fazer o melhor dentro de campo para sair dessa situação. Não pensamos ainda muito. O Marcão foi bastante bem nesse jogo, torcida gosta, é ídolo. Para a gente, nas duas opções não creio que tenha diferença muito grande. Só se a filosofia de trabalho, se chegar um novo, for muito diferente do que havíamos treinando. Fora isso, acho que não faça diferença", disse.

No duelo com o Grêmio, Marcão voltou a utilizar a formação que vinha sendo adotada pelo ex-técnico Fernando Diniz, 4-3-3, com três jogadores no meio e três no setor mais ofensivo.

"Em relação à formação, não conversou, mas bateu um papo com a gente, se estávamos confortáveis cada um em suas posições, e pediu para resgatar o que vínhamos jogando durante o ano com a bola. Sem a bola, pediu para todo mundo ajudar a marcar, seja linha média, baixa ou alta", apontou ele, que completou:

"[Marcão] Foi muito importante. Ele já conhecia todo mundo, conhece o time, é bem próximo dos jogadores. Estava desse lado da profissão há pouco tempo. Pergunta se estava tudo em ordem. Ama o clube. E a gente vê isso no dia a dia. Então a presença dele, nessa situação que teve na semana passada, foi importante. E ajudou nesse jogo, para darmos uma resposta em campo contra o Grêmio".

Nenê comentou ainda sobre a invasão de torcedores ao centro de treinamento, que aconteceu no último sábado, para cobranças ao elenco. Apesar de concordar que os tricolores têm direito de demonstrar insatisfação com a situação do time, considerou que a forma como foi realizado o protesto foi fora do tom.

"Sabemos que sempre seremos cobrados, mas tem de ter um limite. Passou de um ponto que não é correto. Mas, de resto, entendemos as cobranças. E temos de ser cobrados. Porque um grande clube passar por situação dessas é sempre ruim. Mas cobrar fora daqui... Tem de ter uma linha. Passou desse limite não acho correto. Teve outras vezes aqui que vieram conversar, foi bacana. Mas, às vezes, as coisas passam do controle", observou.

O meia ressaltou ainda não ter visto problema no fato de Ganso ter sido capitão na partida com o Grêmio. O camisa 10 protagonizou uma áspera discussão com Oswaldo de Oliveira à beira do gramado na partida contra o Santos, no Maracanã:

"Foi uma coisa natural. Não teve nada a ver com o episódio. Ele era o segundo capitão já. O episódio foi resolvido no mesmo dia no vestiário, ele e Oswaldo se abraçaram. Ele sabe que errou. Mas não enxergamos nada de excepcional".

Fluminense