Topo

Futebol


Jogadores do Figueirense fazem greve e alegam represália de clube-empresa

Rafael Marques, de 36 anos, está no Figueirense desde abril - Divulgação/Figueirense
Rafael Marques, de 36 anos, está no Figueirense desde abril Imagem: Divulgação/Figueirense

Lucas Faraldo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

17/08/2019 20h47

Os jogadores do Figueirense entraram em greve e estão sem treinar desde ontem (16). Os 31 atletas que compõem o elenco profissional do clube catarinense fizeram hoje (17) um manifesto, compartilhado em seus perfis nas redes sociais, reivindicando direitos trabalhistas e acusando a diretoria de represália.

O Figueirense está com salários atrasados e mesmo depois de a diretoria assinar, no fim de julho, uma espécie de termo de compromisso no qual prometia ao elenco regularizar a situação. Há vencimentos atrasados referentes também às duas últimas temporadas, coincidindo com o período em que a empresa Elephant assumiu a administração da agremiação. O presidente do clube-empresa, Claudio Honigman, não atendeu aos telefonemas do UOL Esporte.

Nomes como Rafael Marques, ex-Cruzeiro, Palmeiras e Botafogo, e Matheus Vidotto, ex-Corinthians, estão no Figueirense atualmente. O goleiro Denis, ex-São Paulo, conseguiu uma liminar na Justiça do Trabalho de Santa Catarina, no início do mês, para deixar o clube.

"Não aceitamos retaliações, estamos no nosso direito. A diretoria, através de seus membros, está querendo punir alguns jogadores como forma de represália... Com afastamentos e rescisões contratuais. Uma diretoria omissa, ausente e sem qualquer credibilidade, que engana a torcida alvinegra e fere o direito de todo trabalhador", escreveram os jogadores, no manifesto de hoje.

#somostodoslideres #familiafigueirense

Uma publicação compartilhada por Rafael Marques (RM) (@r_marques) em

O Figueirense perdeu para a Ponte Preta na última quinta-feira, pela 16ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Na sexta, os jogadores não se reapresentaram para treinar, publicando nas redes sociais a mensagem "paramos hoje pela sobrevivência do amanhã". Para o jogo contra a equipe de Campinas, o elenco já havia protestado ao não se concentrar, apresentando-se assim para jogar apenas no próprio dia da partida.

O UOL Esporte apurou que há uma "caça às bruxas" da alta cúpula do Figueirense, que tenta descobrir quem seriam os jogadores que lideram a paralisação no elenco. Os atletas usaram as hashtags #SomosTodosLíderes e #FamíliaFigueirense nas mais recentes publicações.

Os protestos do elenco ganharam força mês passado, quando os jogadores passaram dois dias sem treinar. O então treinador Hemerson Maria falou publicamente, na época, sobre a possibilidade de a equipe não entrar em campo em jogo da Série B. Dois dias depois, o técnico se demitiu fazendo críticas à empresa Elephant. Vinícius Eutrópio e Antônio Lopes foram anunciados em seguida como novos treinador e diretor do Figueirense.

Em 8 de agosto de 2017, a Elephant assinou o contrato que transformaria o clube em Figueirense Ltda. Depois, a empresa assinou um novo acordo no último dia 29 de julho deixando mais claro suas obrigações junto ao clube - uma delas determina que a Elephant invista R$ 19 milhões no Figueirense até abril do ano que vem.

"A minha opinião é que é uma lástima e uma vergonha que um clube como o Figueirense viva uma situação como esta. Um clube que está prestes a completar 100 anos de história. Há muitas responsabilidades, incluindo gestões passadas, que levaram o clube para este caminho. Mas a administração atual é um desastre completo. No mínimo há uma falta de respeito com o clube, sua história e seus torcedores", opina, ao UOL Esporte, o jornalista, apresentador e comentarista catarinense Rodrigo Faraco, da CBN Florianópolis e da NSC TV.

"Acrescento ainda que vejo um quadro muito grave. O mais grave já visto por mim desde que acompanho o Figueirense em minha carreira como jornalista esportivo. O clube correu riscos reais de rebaixamento à Série C em 2017 e em 2018. Um risco que novamente bate à porta. Um rebaixamento representaria um retrocesso de duas décadas para o futebol do clube e teria um impacto fortíssimo no futebol catarinense tamanha a expressão do Figueirense", completa.

O Figueirense é o 12º colocado na classificação da Série B. Apesar de não vencer há mais de um mês, quando bateu o América-MG em 13 de julho, a equipe tem também alguns números positivos, como quatro derrotas em 16 rodadas e também a segunda melhor defesa da competição com 12 gols sofridos. O próximo jogo está marcado para a próxima terça à noite, contra o Cuiabá. Os jogadores prometem manter a greve até que sejam quitados os pagamentos.

Mais Futebol