PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Família musical: esposa e filha lançam CDs e até Ricardo Oliveira canta

Atacante do Atlético-MG soltou a voz em duas músicas que serão lançadas em 2019 - Reprodução/Instagram
Atacante do Atlético-MG soltou a voz em duas músicas que serão lançadas em 2019 Imagem: Reprodução/Instagram

Gabriel Carneiro

Do UOL, em São Paulo

13/12/2018 04h00

Autor de 22 gols em sua primeira temporada pelo Atlético-MG, o atacante Ricardo Oliveira está de férias do futebol, mas não parou de trabalhar. Nos últimos dias ele está engajado no lançamento do CD "Enfrentando Gigante". O álbum é da cantora Debora Oliveira, que é esposa do jogador de 38 anos, e terá publicação de clipe e disponibilização da primeira música de trabalho na segunda-feira. Até grandes nomes do futebol internacional, como Kaká e David Luiz, estão ajudando na divulgação do CD. É o segundo da carreira de Debora e conta com uma novidade surpreendente: o próprio atacante solta a voz em uma das músicas, chamada "Te Amo, Te Quero".

"Meu novo álbum está muito lindo, estou muito ansiosa para que saia, não vejo a hora. Foi tudo escolhido com muito carinho, muito amor e muita oração, então fiz questão que meu marido e filhos participassem comigo em músicas sobre amor e família. Queremos que as pessoas sintam isso, é muito especial", diz Debora, ao UOL Esporte.

Ricardo e Debora são pais de três filhos: Pietra, Anthony e Guilherme. A mais velha também está preparando o lançamento de um CD para 2019. E mais: o pai jogador também participa cantando da faixa "O Cuidado de Deus" do álbum "Espalhando Amor", que está em fase de mixagem e masterização, ainda sem data prevista para lançamento. Com a voz gravada em dois álbuns prestes a ser lançados, Ricardo Oliveira (pelo menos por enquanto) não pensa em gravar músicas próprias.

Debora e Pietra - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Capas dos CDs de Debora e Pietra Oliveira já foram divulgadas nas redes sociais
Imagem: Reprodução/Instagram

"Eu não me arrisco, não (risos). Apesar de ter uma veia artística, gostar de cantar, participar dos CDs e postar nas redes sociais cantando e tocando violão eu não me atrevo a gravar CD próprio porque entendo que não é meu chamado, não é minha praia. Debora e minha filha insistiram muito para eu gravar uma faixa nos CDs delas e eu achei importante participar, porque estamos em família dentro desse sonho. Mas eu não tenho planos e nem projetos para gravar CD solo", diz o cantor e vice-artilheiro do Brasileirão, com 13 gols.

"Eu já vinha de uma experiência de música secular (aquela que não tem conotação religiosa) e a Debora sempre muito envolvida e dedicada na Igreja, com experiências na música gospel. Depois, com o nascimento das crianças, eles cresceram em um ambiente onde o pai gosta de música, está sempre com o violão, e a mãe é cantora. Antes de a Debora engravidar Deus já tinha nos prometido que nos daria uma menina e que ela também seria cantora. A Pietra nasceu com essa veia artística dentro dela. Nós estimulamos, mas foi por conta ela e decidiu seguir o mesmo caminho. Acredito que ela vai conseguir atingir de forma direta o público da idade dela", conta Ricardo Oliveira, que ainda é pastor evangélico.

Ricardo e Debora Oliveira - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

Tanto o CD de Debora quanto o de Pietra são do estilo gospel, de músicas com temática evangélico-pentecostais. A mãe já tem 11 anos de carreira, partindo de corais de jovens até o lançamento do primeiro álbum, "Bênçãos Incontáveis". O CD foi lançado há quatro anos e relançado em novembro de 2018 nas plataformas digitais - também com ampla divulgação dos amigos do futebol de Ricardo Oliveira no Instagram. "Eu era bem ativa na Igreja e sempre fui muito apaixonada pela música e o que ela passava tanto para mim quanto para quem ouvia. Havia um propósito de Deus na minha vida, que eu louvaria a ele e ganharia muitas pessoas para Jesus através da música que saísse da minha boca", diz a artista.

Ricardo Oliveira gravou participação nos discos de Debora e Pietra entre um treino e outro do Atlético-MG ao longo de 2018. Após três temporadas como capitão do Santos, o jogador de 38 anos chegou ao Galo para um ano com números positivos: 22 gols e 9 assistências em 56 partidas, além da artilharia do Campeonato Mineiro e vice-artilharia do Brasileiro. Contratado no fim do ano passado, o jogador (e cantor) tem vínculo com o clube mineiro até 2020.

Futebol