PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Vasco aprova empréstimo de R$ 31 mi e conselheiros são agredidos na saída

Roberto Monteiro (e) e Alexandre Campello (d) em uma das reuniões na Lagoa - Paulo Fernandes / Flickr do Vasco
Roberto Monteiro (e) e Alexandre Campello (d) em uma das reuniões na Lagoa Imagem: Paulo Fernandes / Flickr do Vasco

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

17/09/2018 21h13

Com muitas críticas e ressalvas à atual diretoria, o Conselho Deliberativo do Vasco aprovou por ampla maioria na noite desta segunda-feira (17), na sede cruzmaltina na Lagoa (RJ), um empréstimo de R$ 31 milhões com o objetivo de dar estabilidade ao clube até o fim do ano. Do total de 178 presentes, apenas dois conselheiros votaram contra: Edmilson Valentim (presidente do Conselho Fiscal e integrante do grupo Identidade Vasco) e Marcos Diaz (ex-Vira Vasco e atualmente independente).

Na saída da reunião, dois conselheiros do grupo "Sempre Vasco" foram cercados e agredidos por integrantes de organizadas. A dupla conseguiu se desvencilhar e correr de volta para o clube, onde posteriormente os seguranças agiram.

Presidente do Vasco, Alexandre Campello repudiou o episódio:

Líder da "Sempre Vasco" e ex-candidato à presidência de oposição, Julio Brant também se pronunciou e acusou alguns dos agressores de estarem encapuzados. Ele também levantou a suspeita sobre uma ação premeditada:

Inicialmente, o empréstimo seria de R$ 38 milhões, mas após decidirem na primeira reunião por adiar a votação alegando falta de transparência na prestação de contas por parte de Campello, houve uma redução de R$ 7 milhões em função da mudança dos juros. O encontro desta segunda foi um mês depois. Como garantia, estarão colocadas à disposição cotas da TV Globo e da Ferj (Federação de Futebol do Rio de Janeiro).

A aprovação se deu muito por conta da mudança de posicionamento dos grupos de oposição “Casaca”, “Identidade Vasco” e “Sempre Vasco”, que na reunião anterior, votaram pelo adiamento da decisão por acharem que faltavam explicações mais detalhadas por parte do presidente Alexandre Campello para a aprovação do empréstimo.

Embora tenha votado em favor da verba, o trio fez questão de ressalvar previamente e também na reunião o descontentamento com a atual administração, frisando a não-transparência na prestação de contas bem como a falta de documentos a serem entregues ao Conselho Fiscal. Em suma, a aprovação deste grupo se deu prioritariamente para que o clube tenha um pouco mais de tranquilidade para fechar a temporada, uma vez que o clube está na zona de rebaixamento no Campeonato Brasileiro e uma nova queda é considerada como algo catastrófico, pois além do aspecto moral e desportivo, o clube teria reduzida a cota de TV de R$ 100 milhões para R$ 6 milhões, de acordo com as novas regras do contrato da TV Globo.

Segundo Campello, caso não fosse aprovado o empréstimo, o Vasco não teria como honrar seus compromissos até o fim do ano.

Depois de adiada, reunião havia sido remarcada

A reunião para a aprovação do empréstimo causou muita polêmica. Após decidir-se no primeiro encontro pelo adiamento por 89 votos contra 88, ela havia sido novamente convocada pelo presidente do Conselho Deliberativo, Roberto Monteiro, para o dia 6 de setembro, uma véspera de feriado e no mesmo horário em que o Vasco enfrentaria o América-MG pelo Campeonato Brasileiro.

Com as reclamações e o pedido formal de remarcação por parte de Alexandre Campello, ela foi transferida para esta segunda-feira.

Futebol