PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Premiação da final da Libertadores tem forte impacto para Palmeiras e Galo

Cuca, técnico do Atlético-MG, e Abel Ferreira, técnico do Palmeiras - Pedro Souza/Atlético-MG e Marcello Zambrana/AGIF
Cuca, técnico do Atlético-MG, e Abel Ferreira, técnico do Palmeiras Imagem: Pedro Souza/Atlético-MG e Marcello Zambrana/AGIF
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

28/09/2021 04h00

Com o aumento da cotação do dólar, a Libertadores se tornou a competição mais atraente financeiramente para os clubes brasileiros. Decidida em dois jogos, a classificação para a final terá um peso significativo para os orçamentos e receitas de Palmeiras ou Atlético-MG.

Para chegar a esta conclusão, é só comparar a premiação com as receitas dos dois clubes. Ao chegar à final, um clube garante US$ 6 milhões (R$ 32 milhões). Obviamente, tem a chance de levar ainda mais US$ 15 milhões (R$ 80 milhões).

E o que representa esse valor garantido de R$ 32 milhões para alviverdes e alvinegros?

Bem, o Galo teve de receita no futebol no primeiro semestre R$ 144,3 milhões —incluídos aí R$ 39 milhões referentes à renda de 2020. Só a classificação à final, portanto, seria igual a um quinto da receita total em metade do ano.

O orçamento atleticano acrescenta outros dados para comparação. A projeção é de R$ 377,5 milhões em receitas. Só o dinheiro da classificação representaria 8% da renda prevista. É provável que, caso avance também na Copa do Brasil, o time tenha mais premiações, mas depende da venda de atletas também.

Se confirmado, o dinheiro da final representaria mais do que o montante previsto com o Galo na Veia (R$ 24 milhões) e o marketing (R$ 22,2 milhões). A importância cresce porque o futebol atleticano é deficitário.

O Palmeiras tem uma receita maior do que a atleticana, mas as premiações são igualmente importantes. O clube obteve R$ 424,6 milhões em receitas com o futebol no primeiro semestre. Pois bem, deste total, quase metade foi obtido com os bônus de classificações e títulos da Copa do Brasil e da Libertadores.

São competições referentes à temporada 2020 que invadiram o ano atual. No balancete alviverde, não está discriminado quanto do total da receita é de campeonatos do ano passado.

Uma outra comparação é que só a classificação para a final representaria 39% do contrato de patrocínio da Crefisa (R$ 81 milhões). Já o prêmio pelo título iguala o acordo de marketing, que é o maior do clube fora receitas de televisão. O futebol palmeirense foi superavitário em R$ 60 milhões no primeiro semestre, em grande parte por causa das premiações dos campeonatos.

Em resumo, além da "glória eterna", o jogo do Mineirão tem em jogo um dinheiro que impacta toda uma temporada.

Rodrigo Mattos