PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

Athletico vende ppv a empresa, tem transmissão mesmo sem MP e desafia Globo

Rodrigues comemora gol contra de Thiago Heleno, na partida entre Athletico e Grêmio - Gabriel Machado/AGIF
Rodrigues comemora gol contra de Thiago Heleno, na partida entre Athletico e Grêmio Imagem: Gabriel Machado/AGIF
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

26/10/2020 16h16

Com Gabriel Vaquer

O Athletico-PR vendeu seus direitos de pay-per-view do Brasileiro para a empresa "Live Mode" durante a vigência da MP do Mandante. Com isso, mesmo a legislação tendo perdido validade, a empresa continua a passar jogos do time em casa no canal "Furacão Live" baseada em um contrato válido até 2024. Isso deve causar um conflito com a Globo que detém os direitos de ppv sobre todos os outros times da Série A.

O Athletico é o único clube da primeira divisão que não assinou contrato de ppv com a Globo. A tese da diretoria do clube paranaense é de que, enquanto a MP do Mandante valesse, poderia negociar seus direitos de serviços de OTT pagos para qualquer empresa interessada.

Foi assinado um contrato com a "Live Mode" pelos 19 jogos do Brasileiro por ano até 2024. Não foi possível obter valores nem condições.

Atuante na organização da Copa do Nordeste, a empresa prestava serviços para o clube paranaense na plataforma "Furacão Play". Com a venda dos direitos, os jogos foram transferidos para a plataforma "Furacão Live". Houve transmissão do jogo entre Athletico-PR e Grêmio, neste domingo, na plataforma. Os torcedores pagam R$ 25,00 por mês para assistir aos jogos.

A Globo já tinha ido para a Justiça contra o clube pelas transmissões de jogos em outra plataforma. Houve reviravoltas, mas o clube estava autorizado a passar as partidas enquanto a MP do Mandante estava em vigor. Mas, na semana passada, o texto caducou na Câmara sem votação, isto é, não é mais válido.

Com a venda dos direitos, é provável nova disputa jurídica entre a Globo, o clube e a empresa "Live Mode". Pelo entendimento da emissora carioca, os direitos de outros times pertencem a ela e, portanto, seus jogos não podem ser transmitidos por terceiros.

Procurada, a "Live Mode" não quis se pronunciar. E a Globo ainda não respondeu a questionamento feito pela reportagem do UOL.

Rodrigo Mattos