PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

CBF define critério para adiar jogos por Covid que afeta Palmeiras x Fla

Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

24/09/2020 22h06

Durante a reunião com clubes, que seria para discutir a volta do público nos estádios, a CBF informou, enfim, um critério para adiar jogos quando há surto de Covid em times. A instrução é de que uma partida só é adiada quando uma equipe não conta com pelo menos 13 jogadores aptos e saudáveis para entrar em campo. Essa regra já vale para a rodada do final de semana no Brasileiro e, portanto, para a decisão sobre o adiamento de Palmeiras x Flamengo.

Oficialmente, a CBF sempre negou que tivesse um número padrão para determinar o adiamento de jogos de times com surtos. Questionada, afirmou repetidas vezes que não havia um mínimo de atletas e que decidia se o clube tivesse um elenco em condições de jogar. Assim, a entidade já adiou oito partidas nas quatro séries do Brasileiro.

Mas o STJD já tinha estabelecido uma jurisprudência para isso: determinava justamente que o jogo seria mantido se o time tivesse 13 atletas sem Covid e podendo jogar. Foi assim que o presidente do STJD, Otávio Noronha, rejeitou um pedido de adiamento de jogo da Caldense:

"Segundo informado pela Entidade Nacional de Administração do Desporto (CBF), a circunstância de uma Equipe ter menos de 13 Jogadores em condição de partida é que recomendou o adiamento, à luz dos princípios da razoabilidade, e à semelhança do que consta em regulamentos Internacionais, como o Protocolo da UEFA."

O protocolo da UEFA, de fato, estabelece que se um time não tiver 13 jogadores disponíveis vai ser decretado um WO. Na Conmebol, também há previsão de WO se um time não tiver sete atletas. Mas, no Brasil, a CBF e o tribunal decidiram por optar pelo adiamento.

Isso foi informado aos clubes durante a reunião e a maioria concordou com o ponto. Mas alguns dirigentes discordaram desta questão. Não chegou a haver votação, mas a CBF entende que a regra está válida.

Pois bem, na ação do Flamengo no STJD em que pede o adiamento do jogo, o clube apresenta uma lista de 34 jogadores inscritos no Brasileiro. Desses, 16 estão infectados por coronavírus. Outros três são apontados como lesionados e outros três foram negociados. Assim, restariam apenas 12 atletas ao Flamengo, abaixo do limite estabelecido pela CBF.

O Flamengo alega que o número é subjetivo. Sua base na ação é relacionada à saúde: todos os infectados e os que tiveram contado com eles estão em quarentena até o início da semana. "Período de incubação", diz o advogado do Flamengo, Michel Assef Filho.

A confederação, no entanto, precisará ter comprovações de todos esses dados, inclusive infectados e lesionados. A CBF ainda não se pronunciou sobre este caso, mas o STJD pediu que houvesse uma manifestação da entidade.

Rodrigo Mattos