PUBLICIDADE
Topo

Cotas do SBT e Facebook no exterior: como e quanto Fla fatura em final

Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

15/07/2020 17h00

Com Pedro Ivo de Almeida

Dono dos direitos da segunda final do Carioca, o Flamengo aposta em um modelo com múltiplas fontes de receitas para faturar com o Fla-Flu. Entre as alternativas, estão as cotas de patrocínio do SBT na TV Aberta, a venda de direitos internacionais, doações de torcedores e patrocínios nas transmissões próprias.

O jogo passará no SBT na TV Aberta, com renda dividida meio a meio entre Flamengo e a emissora. Ao mesmo tempo, será transmitido pela Fla-TV para o brasil. No exterior, tem direitos vendidos para o Facebook na maior parte dos países, e na China e em Portugal para TVs.

Um cenário que seria considerado positivo pelo clube é se a renda chegar a R$ 3,5 milhões pelo jogo.

A maior fonte de renda é a transmissão do SBT. A emissora vendeu seis cotas de patrocínio. Pelo que apurou o blog, os valores pagos pelas empresas variam em torno de R$ 600 mil e R$ 800 mil. Assim, no total, o faturamento vai girar em torno de R$ 4 milhões. O clube ficaria com poucos menos da metade desse valor descontados os custos de operação e transmissão.

Além disso, o Flamengo negociou com o Facebook os direitos da transmissão no exterior, com a possibilidade de pagamentos pelos torcedores como era feito no superchat na Fla-TV. Também poderão haver doações no Brasil. Há ainda monetização por publicidade no Brasil e no exterior.

A diretoria do clube ainda negociava inserções virtuais publicitárias para aumentar receitas.

Para dois países, Portugal e China, foram negociadas transmissões com televisões. No caso da China, o Flamengo foi procurar interessados para entrar no mercado local. A transmissão de jogo do time na TV do mercado com maior número de consumidores abre portas para outros tipos de vendas. A intenção é de expandir a marca.

A estratégia rubro-negra é de testar vários modelos para obter renda nestes jogos pontuais do Carioca pra ver quais funcionam. Já transmitiu de graça na FlaTV, cobrou em plataforma do MYcujoo em iniciativa que não funcionou e agora vai para TV Aberta. Em casa jogo, a arrecadação se aproximou de R$ 1 milhão.

Não se chegará ao valor que pagaria a Globo pelo Carioca, R$ 18 milhões. Mas o clube entende que podia abrir mão desse dinheiro para testar novas alternativas. O dinheiro arrecadado com direitos de TV no Carioca não estava previsto no orçamento de 2020.

Colaborou Gabriel Vaquer

Blog do Rodrigo Mattos