PUBLICIDADE
Topo

Blog do Rodrigo Mattos


Corinthians rejeitou vender parte do estádio para pagar dívida há dois anos

Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

28/01/2020 04h00

A diretoria do Corinthians rejeitou uma operação com um fundo imobiliário para a venda de parte da Arena Corinthians em negociação feita há dois anos. Foi o que contou o CEO do Banco Plural, Rodolfo Riechert, em palestra sobre clube-empresa no Rio de Janeiro. A atual diretoria não descartaria ceder parte dos direitos do estádio desde que houvesse injeção de capital forte para quitar débitos, segundo apurou o blog.

Durante a palestra, Riechert, cujo banco tem negócios com clubes de futebol, informou que chegou a montar uma operação com fundo imobiliário para o Corinthians ainda na gestão de Roberto Andrade. "O Corinthians teve o problema da arena. O negócio do rolo da dívida. A gente analisou e eles têm renda do estádio. A gente propôs transformar em um fundo imobiliário, captar um dinheiro para pagar a dívida. Porque eles têm um produto. Mas aí disseram que o estádio é do Corinthians. E tem que ser do Corinthians. O estádio não é do Corinthians, tem uma alienação fiduciária para a Caixa. A gente só queria vender uma parte."

(Alienação Fiduciária é o instrumento pelo qual o bem, no caso o estádio, é dado como posse ao credor até a quitação do empréstimo. Pode assumir o bem se houver inadimplência)

Depois, Riechert explicou ao blog que a proposta era ceder 60% dos direitos sobre o estádio, mantendo toda a operação com o clube. Segundo o executivo do banco, daria para resolver a maior parte da dívida do clube com a Caixa e Odebrecht.

O blog apurou que a atual diretoria corintiana não rejeitaria a cessão de parte menor dos direitos sobre o estádio se houvesse uma injeção significativa para resolver dívidas. Mas, para isso, não bastaria um banco montar uma operação só para captar dinheiro usando as receitas do clube, teria que de fato entrar com capital.

A negociação frustrada do Banco Plural, que tinha parte dos negócios de franquias de lojas do clube, foi mais uma das tentativas do Corinthians para resolver o débito corintiano relacionado à arena. Atualmente, há conversas em andamento com a Caixa Econômica Federal da dívida pelo empréstimo para viabilizar o estádio, iniciada depois que o banco foi à Justiça para cobrar o seu pagamento. Por enquanto, o clube não paga e pretende incluir todo esse período de parcelas na negociação.

Em paralelo, foi resolvida uma parte da dívida com a Odebrecht com dinheiro dos CIDs, mas ainda não há um acordo assinado para todo o passivo.

Blog do Rodrigo Mattos