PUBLICIDADE
Topo

Renato Mauricio Prado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

RMP: Rodada não foi ruim para o Fla. Mas redes sociais cornetam Renato

Conteúdo exclusivo para assinantes
Renato Mauricio Prado

Renato Mauricio Prado é jornalista e trabalhou no Globo, Placar, Extra, Rádio Globo, CBN, Rede Globo, SporTV e Fox Sports. Assina atualmente uma coluna diária no Jornal do Brasil. A primeira Copa que cobriu in loco foi a da Argentina, em 1978.

07/10/2021 02h44Atualizada em 07/10/2021 09h50

Se antes do início dos jogos da 24ª rodada do Brasileiro tivessem oferecido aos torcedores do Flamengo terminar a noite com a diferença de pontos que já tinha para o Atlético Mineiro, aposto, todos aceitariam de imediato. Afinal, o líder do campeonato enfrentaria a lanterna Chapecoense e o rubro-negro carioca, esfacelado pelas eliminatórias sul-americanas e por contusões, encararia um rival bem mais complicado: o Red Bull Bragantino, que já o derrotara, no turno, em pleno Maracanã.

Foi o que aconteceu, mas a maioria da "nação" foi dormir cuspindo marimbondos e esculhambando o técnico Renato Gaúcho, um esporte que se tornou popular entre muitos flamenguistas nas redes sociais. A frustração é compreensível, pois o jogo do Atlético terminou antes, empatado em 2 a 2, e o Flamengo foi para o intervalo vencendo por 1 a 0, combinação de resultados que permitiam ao atual bicampeão brasileiro voltar a depender apenas de seus resultados para conquistar o tri.

A vitória rubro-negra, entretanto, escapou, numa saída de bola malfeita por Matheuzinho, seguida de um bote errado de Léo Pereira (mais um) e um chute espetacular de Artur. Depois disso, o time de Renato Gaúcho ainda pressionou em busca do gol da vitória, mas ele não veio e se o empate manteve a distância para o líder, restou a frustração pela perda da oportunidade de se aproximar na tabela.

É impossível, entretanto, não levar em conta os muitos desfalques: Gabigol, Arrascaeta, Éverton Ribeiro, Isla, Diego Alves, Filipe Luís e David Luiz (titulares absolutos), além de Diego e Gustavo Henrique. Diante disso, é forçoso considerar o empate em Bragança paulista um resultado razoável.

Mais do que as escolhas e as estratégias de Renato Gaúcho o que deveria preocupar os flamenguistas das redes sociais é a impressionante e preocupante sequência de contusões musculares no elenco do Fla. O último foi Andreas Pereira (que não jogou bem como terceiro homem do meio-campo), substituído por causa de dores musculares na coxa.

Um clube que fatura um bilhão de reais no ano tem a obrigação de ter a seu serviço os melhores médicos, preparadores físicos e fisiologistas do futebol brasileiro. Não o "personal trainner" amigo de um jogador ou um profissional que trabalhou no clube em 2009 e, de lá pra cá, não passou por nenhum clube de ponta. Isso é ação entre amigos, não profissionalismo. E está cobrando o seu preço.

Renato Gaúcho tem aproveitamento de mais de 80% até agora. Está na final da Libertadores, na semifinal da Copa do Brasil e ainda na luta no Brasileiro. Mas não adianta: aqueles que não queriam Portaluppi como treinador continuarão a cornetá-lo. Torcem tanto contra o treinador, que acabam torcendo contra o Flamengo. Faz sentido?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL