PUBLICIDADE
Topo

Renato Maurício Prado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

RMP: Apesar da decepção, resultado do Flamengo foi ótimo

Conteúdo exclusivo para assinantes
Renato Mauricio Prado

Renato Mauricio Prado é jornalista e trabalhou no Globo, Placar, Extra, Rádio Globo, CBN, Rede Globo, SporTV e Fox Sports. Assina atualmente uma coluna diária no Jornal do Brasil. A primeira Copa que cobriu in loco foi a da Argentina, em 1978.

23/09/2021 02h59Atualizada em 23/09/2021 09h06

Apesar do ótimo resultado do Flamengo contra o Barcelona de Guayaquil, que o coloca a um passo da classificação para a final da Libertadores, muitos torcedores rubro-negros foram dormir frustrados. Compreensível. Ganhando por 2 a 0, com um jogador a mais, no final do primeiro tempo, a expectativa era de que, após o intervalo, uma goleada definiria o confronto já no Maracanã. E ela não veio. Mas, de cabeça fria, a maior torcida do país não deve reclamar. Sobraram boas notícias na primeira partida da semifinal do principal torneio do continente.

Diego Alves, Bruno Henrique, Andreas Pereira e o estreante David Luiz tiveram excelentes atuações individuais. E, exceção feita a Léo Pereira, que cometeu uma agressão incompreensível e inaceitável, provocando sua expulsão, no finalzinho da partida, todos jogaram bem, num confronto em que o Barcelona do Equador mostrou também suas qualidades e, por isso, em determinados momentos, exigiu tanto do goleiro rubro-negro.

Há, por parte de boa parte da torcida e até da imprensa, impressionante e incrível má vontade com Renato Gaúcho, por muitos considerado apenas um "animador do grupo". Seu excelente início de trabalho à frente do Flamengo é atribuído à qualidade (inegável) do elenco que dirige.

Mas, por acaso, esse mesmo grupo não esteve sob o comando de Domènec Torrent e de Rogério Ceni, sem apresentar nem de longe os resultados de agora? A performance do rubro-negro, em suas primeiras 18 partidas, sob o comando de Portaluppi, é superior até à de Jorge Jesus! Mas, apesar disso, quem não gosta dele não dá o braço a torcer!

Renato é melhor que Jesus? Não. Nenhum treinador brasileiro é. O português esfregou na cara dos nossos técnicos o atraso tático e estratégico em que vivemos. Mas Portalupppi vem permitindo aos jogadores do Flamengo algo que só o atual treinador do Benfica foi capaz: dar a eles a liberdade necessária para que produzam o seu melhor futebol.

O Gaúcho não é um gênio. Um estrategista. Um revolucionário. Mas, ao seu jeito, sabe tirar de seus atletas o melhor que eles podem dar. E isso não é pouco, muito pelo contrário. O rubro-negro segue candidatíssimo aos três títulos que disputa (Brasileiro, Copa do Brasil e Libertadores). Será que se conquistá-los, ou alguns deles, ainda dirão que não tem mérito algum?

O Flamengo precisa confirmar, em Guayaquil, sua classificação à terceira final da Libertadores (ganhou as duas que disputou). Mas só um desastre colossal no Equador impedirá que dispute o tricampeonato contra o vencedor do confronto entre Atlético Mineiro e Palmeiras. Fato é que, gostem ou não, Renato tem muitos méritos. Dizer que seu trabalho não é bom é brigar com a realidade. Que tal deixar as antipatias pessoais de lado e aceitar que o Gaúcho sabe o que faz e vem, apesar de alguns (poucos) tropeços, conquistando excelentes resultados?

Incomparável

Como comparar o espetáculo horroroso que apresentaram Palmeiras e Atlético Mineiro com o jogo emocionante que realizaram Flamengo e Barcelona de Guayaquil? No Allianz Parque, apenas uma conclusão foi em direção do gol. No Maracanã, foram 11 no alvo! Isso quer dizer que o classificado desse último duelo derrotará o do primeiro? Não. Mas que, em termos de espetáculo, a segunda semifinal foi incomparavelmente mais agradável que a primeira, nem se discute.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Renato Maurício Prado