PUBLICIDADE
Topo

Renato Maurício Prado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

RMP: CR7 preferiu o passado. Com Guardiola poderia ter um futuro melhor

Conteúdo exclusivo para assinantes
Renato Mauricio Prado

Renato Mauricio Prado é jornalista e trabalhou no Globo, Placar, Extra, Rádio Globo, CBN, Rede Globo, SporTV e Fox Sports. Assina atualmente uma coluna diária no Jornal do Brasil. A primeira Copa que cobriu in loco foi a da Argentina, em 1978.

27/08/2021 20h24Atualizada em 27/08/2021 20h29

Quando tudo indicava que Cristiano Ronaldo, enfim, seria comandado por Pep Guardiola, seu endereço em Manchester mudou. Em vez de trocar a Juventus pelo City, o português acabou voltando para o United, onde jogou pela primeira vez na Inglaterra, de 2003 a 2009. Pesou o lado sentimental, principalmente o fato de o Red Devils ser treinado atualmente por um velho companheiro de equipe, o norueguês Ole Gunnar Solskjær.

Com a chegada do CR7, o elenco do United fica, sem dúvida, entre os mais fortes do mundo. Mas o que ganhou recentemente esse time tão tradicional? Nas últimas quatro temporadas inglesas, o City foi campeão em três e o Liverpool, em uma.

A derradeira conquista dos Red Devils, na Premier League, se deu no torneio de 2012/13. E na Liga dos Campeões, a última vez que ergueu a "Orelhuda" foi em 2008. Com Cristiano Ronaldo. Que esteve presente também no tricampeonato da liga inglesa em 2006/07, 2007/08 e 2008/09.

O CR7 volta na esperança de reviver esses tempos gloriosos. Mas a sensação que tenho é que, ao preferir o United ao City, abriu mão de um futuro que lhe poderia ser bem mais produtivo. Embora ainda seja um craque, é evidente que Ronaldo já não é o mesmo. Aos 36 anos, não tem mais conseguido ser o "homem esquadra" dos tempos do Real Madrid.

Quem acompanhou suas temporadas na Juventus e suas atuações na seleção de Portugal, na última Eurocopa, percebeu que a idade está cobrando o seu preço. Já não tem mais a arrancada espetacular de antes. Por isso, passou a jogar bem mais perto da grande área, como um centroavante.

Exatamente o que procurava Pep Guardiola, quando, sem sucesso, fez tudo para que Harry Kane trocasse o Tottenham pelo City. Imaginem o CR7, sob o comando do melhor treinador do mundo, num time que há quatro anos encanta o planeta com um futebol estonteante?

Ficamos só na imaginação. Cristiano Ronaldo optou pelo passado. Pode ser que ainda tenha sucesso, afinal de contas, está se transferindo para um timaço, bem superior ao da Juventus, onde jogava. Mas com Guardiola, creio eu, seu futuro poderia ser bem melhor e o final da carreira absolutamente glorioso.

A conferir o que nos reservará esta próxima temporada europeia, com tantas novidades bombásticas, como Lionel Messi no PSG, Kylian Mbappé, no Real Madrid e Lukaku no Chelsea. E a janela ainda não acabou...

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Renato Maurício Prado