PUBLICIDADE
Topo

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Clube mais rico do mundo quer Paquetá para ter meio-campo 100% brasileiro

Lucas Paquetá é a prioridade do Newcastle na próxima temporada - NELSON ALMEIDA/AFP
Lucas Paquetá é a prioridade do Newcastle na próxima temporada Imagem: NELSON ALMEIDA/AFP
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

07/06/2022 04h00

O clube de futebol mais rico do mundo planeja ter um meio-campo 100% brasileiro na próxima temporada.

O Newcastle, que já conta com Bruno Guimarães e Joelinton, agora sonha com a contratação de Lucas Paquetá para completar seu trio de volantes/armadores do futebol pentacampeão mundial para a disputa da Premier League inglesa 2022/23.

O camisa 10 do Lyon não é apenas um dos alvos da equipe que pertence a Mohammed bin Salman, príncipe herdeiro da Arábia Saudita e de toda a fortuna da nação árabe, mas sim sua prioridade para esta janela de transferências.

Por isso, os Magpies podem transformar o jogador revelado nas categorias de base do Flamengo no reforço mais caro da história. De acordo com diferentes veículos da imprensa britânica, uma proposta de 68 milhões de euros (R$ 346,5 milhões) será enviada à França em breve.

Na visão do técnico Eddie Howe, o meia-atacante Paquetá, autor de 11 gols e sete assistências na temporada passada, é o nome ideal para compor o meio-campo alvinegro com o volante Bruno Guimarães e Joelinton.

Os dois brasileiros foram apontados como protagonistas da arrancada do Newcastle na segunda metade da última edição do Inglês. A equipe, que não ganhava de ninguém e estava seriamente ameaçada de rebaixamento, chegou a emendar uma série invicta de oito partidas e terminou a competição na nada assustadora 12ª posição.

Bruno Guimarães, que jogava com Paquetá no Lyon até ser contratado em janeiro, foi o grande nome dessa reviravolta. Depois que ele chegou à Inglaterra, o time só perdeu cinco dos 17 jogos que disputou.

Apesar de menos badalado que o volante, Joelinton também foi essencial na transformação alvinegra. Foi só depois que ele deixou de ser um centroavante pouco produtivo (dez gols nas duas primeiras temporadas) para atuar como "camisa 8" que o clube inglês ganhou o equilíbrio tático necessário para sair da rabeira da classificação.

Principal alvo do Newcastle para a próxima temporada, Paquetá também está na lista de compras de duas equipes bem mais tradicionais que os Magpies: Paris Saint-Germain e Arsenal.

Os londrinos são a principal ameaça à ida do brasileiro para o norte da Inglaterra, já que podem inclusive superar a oferta projetada pelos alvinegros e chegar a uma proposta na casa dos 80 milhões de euros (R$ 410 milhões), de acordo com o site "Football London".

Já no PSG, a contratação de Paquetá ficou em segundo plano depois da demissão do diretor esportivo Leonardo. O clube ainda tem interesse no destaque do Lyon, mas não pretende, pelo menos neste momento, entrar em um leilão por ele.

Apesar de ter sido campeão inglês pela última vez há quase um século (1926/27) e de não disputar a Champions desde 2002/03, o Newcastle voltou a entrar no grupo dos clubes mais poderosos da Europa depois que foi comprado por Bin Salman.

A fortuna do príncipe é tratada como "infinita", já que ninguém consegue precisar com exatidão quanto dinheiro ele tem. As estimativas variam entre US$ 95 bilhões e US$ 1,4 trilhão (até R$ 7,6 trilhões), basicamente o tamanho das reservas de petróleo que a Arábia Saudita possui no seu subsolo.

Apesar das regras de Fair Play Financeiro, que não permitem que o Newcastle saia gastando do dia para a noite a grana do seu proprietário, o clube planeja entrar na briga pelo troféu da Premier League nas próximas temporadas e, em um curto espaço de tempo, virar potência também no cenário internacional.