PUBLICIDADE
Topo

Blog do Perrone

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Em negociação tensa, SPFC avaliou risco de briga na Justiça com D. Alves

Post de Daniel Alves no Instagram - Reprodução/Instagram
Post de Daniel Alves no Instagram Imagem: Reprodução/Instagram
Conteúdo exclusivo para assinantes
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

17/09/2021 15h45

A negociação entre São Paulo e Daniel Alves, encerrada nesta quinta (16) com a rescisão contratual, foi marcada por tensão do início ao fim.

Apesar do bom relacionamento entre advogados do jogador e a direção são-paulina, o ambiente estava pesado principalmente por conta das mágoas acumuladas dos dois lados desde abril. No quarto mês do ano, começaram as conversas para o clube equacionar uma dívida que havia chegado a cerca de R$ 18 milhões no último sábado.

Por causa da irritação com o atleta, existia no São Paulo até quem preferisse deixar Daniel Alves acionar a Justiça ou a CNRD (Câmara Nacional de Resolução de Disputas da CBF) para tentar se desvincular do clube. Dois pareceres foram pedidos para integrantes do departamento jurídico para ajudar o clube a definir sua postura nas tratativas.

A avaliação foi de que a chance de o jogador conseguir a rescisão judicialmente era grande. A opção de deixar o atleta buscar a rescisão de maneira litigiosa foi rechaçada pelo presidente Julio Casares. Seu discurso foi de proteger a instituição. Isso porque Dani poderia conseguir uma liminar para assinar com outro clube e ainda cobrar o valor total do contrato na Justiça com juros e honorários advocatícios. A dívida poderia aumentar substancialmente.

Os valores do acordo não foram divulgados pelas partes. O compromisso do lateral e meia terminaria em dezembro de 2022.

Um dos motivos que geraram tensão do lado são-paulino foi a avaliação de que Daniel Alves é imprevisível. Havia o receio de que ele mudasse sua pedida na reta final da negociação.

O clima tenso vinha desde abril. Primeiro, seria uma negociação para a quitação da dívida. Diante das divergências constantes, a conversa passou a ser para a rescisão.

Os são-paulinos entendem que Daniel foi insensível com as dificuldades financeiras enfrentadas pelo clube por conta da pandemia de covid-19. Também se queixam de que o jogador e seu empresário, Fransergio Bastos, criticaram o clube enquanto Casares estava hospitalizado devido a complicações da covid.

Teria faltado sensibilidade com o problema de saúde do presidente e entendimento das dificuldades que sua ausência impunha para a diretoria negociar. Também há a reclamação de que, até decidir não se apresentar, Daniel não aceitava nenhuma proposta. Fosse para quitar o débito ou rescindir.

Entre os representantes do meia e lateral, houve desconforto com a demora do clube para apresentar propostas enquanto buscava reforços .

O sentimento foi de que o acerto com Daniel Alves não era prioridade. Como mostrou o blog, os cartolas justificam a demora pela espera para saber se seriam realizadas novas receitas com possíveis vendas e avançando às semifinais da Libertadores. No entanto, o dinheiro novo não veio.

A tensão foi gerada também porque as duas partes esticaram a corda. Daniel se recusou a se reapresentar depois de voltar dos jogos pela Seleção Brasileira nas eliminatórias. O jogador demonstrou frieza e firmeza na negociação.

Por sua vez, o São Paulo tentou mostrar que o tempo estava contra o atleta, já que, se ele for para uma equipe brasileira, só poderá se inscrito no Brasileirão até o próximo dia 24. Assim, os são-paulinos também jogaram duro.

Concluída a negociação, as duas partes evitam ataques em público. Mas, nos bastidores, a sensação é de que se um palito de fósforo for riscado, um barril de ressentimentos pode explodir.

Blog do Perrone