PUBLICIDADE
Topo

Blog do Perrone

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Sobrou vontade dos dois lados no dérbi que merecia ter sido adiado

Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

03/03/2021 21h16

Sobrou vontade, faltou técnica no 2 a 2 entre Corinthians e Palmeiras nesta quarta (3), na Neo Química Arena. A disposição foi a arma dos jogadores dos dois times para superarem as dificuldades de um clássico que não deveria ter acontecido nesta data.

O dérbi poderia ter sido adiado pelo fato de o Alviverde fazer a segunda partida das finais do Copa do Brasil no próximo domingo (7) e, por isso, poupar titulares. O jogo, válido pelo Campeonato Paulista, também poderia ter mudado de data por conta do surto de covid-19 que atingiu oito jogadores do Corinthians.

Nesse contexto, eram esperadas as falhas individuais e os erros provocados por falta de entrosamento que rechearam o clássico.

Mas o espírito de luta demonstrado pelas duas equipes amenizou o baixo nível técnico.

O Palmeiras entrou para matar o jogo, como as duas torcidas esperam ver seus times fazendo no dérbi. Aos 4 minutos, Lucas Lima fez 1 a 0. Gabriel Silva ampliou a vantagem aos 25 minutos do primeiro tempo.

O cheiro de goleada impregnou a arena corintiana, mas, ainda no primeiro tempo, aos 35 minutos, com Matheus Vital, o Alvinegro diminuiu.

No retorno para o segundo tempo, aos 2 minutos, o time da casa, enfraquecido pelo surto de covid-19, mostrou não sentir a pressão da desvantagem temporária no clássico e empatou, com Rodrigo Varanda, cria da base alvinegra.

Com o passar do tempo, o cansaço bateu, dos dois lados, e o empate foi amadurecendo.

O saldo é um resultado que não deve ser motivo de queixa tanto pelos alvinegros como pelos alviverdes. O empenho dos atletas, na média, diante de tantas dificuldades, merece elogios.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Blog do Perrone