PUBLICIDADE
Topo

Mauro Cezar Pereira

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Mauro Cezar: Cuca e Renato Gaúcho deixaram mais claro que Jesus tem razão

Os técnicos Cuca e Renato Gaúcho, que colocaram zagueiros como centroavantes no final de partidas que precisavam vencer - Montagem sobre fotos de Gabriel Machado/AGIF e Thiago Ribeiro/AGIF
Os técnicos Cuca e Renato Gaúcho, que colocaram zagueiros como centroavantes no final de partidas que precisavam vencer Imagem: Montagem sobre fotos de Gabriel Machado/AGIF e Thiago Ribeiro/AGIF
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

18/10/2021 04h00Atualizada em 18/10/2021 11h08

Contra o Palmeiras o placar do Mineirão mostrava o resultado: 1 a 1, o bastante para que o time paulista avançasse à final da Copa Libertadores. Com o Atlético precisando desesperadamente de um gol, o técnico Cuca colocou Réver em campo. O zagueiro de 1,92 metro entrou como centroavante. Um fiasco, ele mal pegou na bola e nada aconteceu.

Precisando de um gol para derrotar o Cuiabá, o Flamengo corria contra o relógio. Já sem Gabigol, substituído, Renato Gaúcho olha para o banco de reservas e tem a "brilhante" ideia de repetir o que seu colega de Belo Horizonte fizera semanas antes: Gustavo Henrique, 1,96 metro de estatura, como comandante de ataque. Não deu certo, claro.

Esses dois momentos resumem bem o que são os treinadores brasileiros no geral. Mesmo com ótimos elencos, muito superiores à maioria dos adversários, eles não conseguem fazer a diferença. E, pelo jeito, no dia a dia não conseguem criar soluções utilizando o material humano disponível. Os zagueiros como centroavantes simbolizam isso. Muito aleatório.

E o mais interessante é que Renato mandou essa dias depois de enorme repercussão das declarações recentes de Jorge Jesus. O português disse que os jogadores brasileiros não conheciam tão bem o jogo sem bola. "Isso começou a mudar depois da nossa passagem pelo Brasil", afirmou, para revolta de muitos, na imprensa brasileira, inclusive.

Sim, o ex-técnico do campeão brasileiro é um homem vaidoso, tem uma autoestima imensa, mas os homens que hoje comandam os melhores elencos do país deixam claro que profissionalmente são muito, mas muito inferiores a ele. As pífias atuações de Atlético Mineiro e Flamengo no domingo reforçaram, e muito, essa conclusão. Um time foi pífio, o outro patético.

Siga Mauro Cezar no Twitter

Siga Mauro Cezar no Instagram

Siga Mauro Cezar no Facebook

Inscreva-se no Canal Mauro Cezar no YouTube

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL