PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Mauro Cezar Pereira


Flamengo ganha 2ª taça e pode ter a 3ª em 10 dias, mas desentrosamento pesa

Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

22/02/2020 21h51

Classificação e Jogos

O Flamengo foi a campo com nove reservas, apenas Gustavo Henrique, na zaga, e Gabigol, que não jogou em Quito contra o Independiente Del Valle quarta-feira passada, eram os titulares no onze inicial de Jorge Jesus. Com dificuldade, venceu o Boavista, de virada, por 2 a 1 e levantou o segundo troféu do ano. Se vencer o time equatoriano quatro dias depois, novamente no Maracanã, erguerá o terceiro em apenas dez dias de intervalo, já que no domingo anterior venceu a Supercopa do Brasil com os 3 a 0 sobre o Athletico, em Brasília.

A importância da conquista do primeiro turno do campeonato estadual está conectada às competições mais importantes. No dia 4 de março os rubro-negros irão à Colômbia estrear na Libertadores contra o Junior de Barranquilla. Ao todo serão cinco compromissos pelo certame internacional até a estreia no Campeonato Brasileiro, em maio. Se vencer o Independiente Del Valle na quarta-feira e conseguir a classificação até a Série A começar, o Flamengo terá feito o início de temporada perfeito, podendo priorizar a competição em seu começo.

O calendário do futebol no país é comprovadamente pesado e confuso. Mas agora, com o título do primeiro turno, Jorge Jesus não terá motivos para escalar seus titulares em jogos do Estadual, exceto em semanas nas quais não tenha outros compromissos por competições mais importantes, no caso, a Libertadores, para manter o ritmo de competição dos seus atletas. O elenco é amplo, mas a troca de quase todos os titulares cobra o preço do desentrosamento, administrar o grupo revezando parece ser o melhor caminho a seguir.

 follow us on Twitterfollow me on youtubefollow me on facebookfollow us on instagramfollow me on google plus

Mauro Cezar Pereira