Topo

Futebol Americano


Time vira saco de pancadas na NFL e tem até campanha para não vencer jogos

Torcedora do Miami Dolphins usa saco de papel na cabeça para brincar com situação do time durante derrota para o Dallas Cowboys - Matthew Emmons/USA TODAY Sports
Torcedora do Miami Dolphins usa saco de papel na cabeça para brincar com situação do time durante derrota para o Dallas Cowboys Imagem: Matthew Emmons/USA TODAY Sports

Lucas Tieppo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

26/09/2019 12h00

A histórica ausência de representantes da cidade sede no Super Bowl se transformou em um dos maiores tabus da história da NFL. Essa sequência deve continuar por mais um ano se a temporada 2019 seguir o enredo de suas primeiras semanas. A decisão da liga está marcada para a casa do Miami Dolphins, o Hard Rock Stadium, e nada leva a crer que a equipe da Flórida estará em campo no dia 2 de fevereiro de 2020. Isso porque o time tem desempenho tão ruim que parte da torcida faz campanha para que a franquia termine o campeonato sem vitórias.

São três derrotas avassaladoras com saldo negativo de incríveis 117 pontos, pior marca da história da NFL após três rodadas. O ataque da equipe anotou apenas 16 pontos, e a defesa sofreu 133 pontos nas derrotas para Baltimore Ravens (59 a 10), New England Patriots (43 a 0) e Dallas Cowboys (31 a 6). Nenhum time tem números tão ruins.

Os Dolphins são o pior time da atual temporada, e muitos torcedores não estão ligando muito para isso. A audiência dos jogos do time está mais baixa que o normal, mas tem muito fã da equipe dando de ombros.

Antes mesmo da temporada, os torcedores de um dos mais tradicionais times da liga já previam muito sofrimento muito entre setembro e dezembro. Técnico novo, quarterback sendo trocado, limpeza no teto salarial e busca pelo maior número possível de escolhas do Draft do ano que vem marcaram as semanas que antecederam o início do campeonato.

Houve até uma campanha para que o time perdesse todos os jogos para garantir a primeira escolha do próximo Draft e assim ter a possibilidade de escolher um novo quarterback, no caso a promessa Tua Tagovailoa. O "Tank for Tua" tomou as redes sociais há nove meses e ganhou muitos adeptos - o termo tank significa perder jogos de propósito para ter uma escolha mais alta no processo de seleção de novos jogadores.

O próprio Tagovailoa, jogador de Alabama Crimson Tide, admite ter conhecimento da campanha para que os Dolphins percam a maior quantidade possível de jogos da temporada e tenham a chance de pegá-lo no Draft.

"Eu ouvi falar disso. Especialmente dos meus colegas de equipe. Muitos deles gostam de brincar. Mas é algo com o qual não estou tão preocupado agora", disse, em entrevista à revista Gridiron.

Outros seis times ainda não venceram na temporada e podem brigar com Miami pela primeira escolha: New York Jets, Cincinnati Bengals, Pittsburgh Steelers, Denver Broncos, Washington Redskins e Arizona Cardinals. Porém, apenas Bengals e Broncos são encarados como rivais na briga por um novo quarterback.

Além da aposta no Draft - o time tem três escolhas de primeira rodada, duas na segunda e outras duas na terceira -, os Dolphins abriram espaço na folha salarial para atuar de forma agressiva no mercado antes da próxima temporada. A franquia pode ter cerca de 119 milhões de dólares para investir em novos jogadores em 2020 depois da reformulação que teve início nos últimos meses.

A próxima partida da equipe de Brian Flores é neste domingo (29) contra o Los Angeles Chargers, em casa. E vai ter torcedor comemorando uma provável nova derrota.

Siga o UOL Esporte no

Futebol Americano