PUBLICIDADE
Topo

Tales Torraga

'Barra bravas' tentaram roubar caixão de Maradona

Tales Torraga

Jornalista e escritor, Tales Torraga nasceu em Mogi das Cruzes (SP), mas é, segundo os colegas, "mais argentino que os próprios argentinos". Morou em Buenos Aires e Montevidéu, girou pela imprensa brasileira e portenha e escreveu 15 livros ? o último deles, Copa Loca, é sobre a...Argentina nos Mundiais.

Colunista do UOL

30/11/2020 08h01

A briga entre a polícia e o público que encerrou o velório de Diego Maradona, na última quinta (26), foi causada para impedir que "barra bravas" roubassem o caixão de Diego na Casa Rosada. Foi o que garantiu o comentarista esportivo Fernando Niembro, de 72 anos, que trabalha com o assunto na Argentina há mais de 40.

Maradona - Handout / Argentinian Presidency / AFP - Handout / Argentinian Presidency / AFP
Caixão de Diego Maradona tem bandeira da Argentina e camisas da seleção argentina e do Boca Juniors
Imagem: Handout / Argentinian Presidency / AFP

Os "barra bravas" são os violentos que integram as torcidas organizadas no país. O relato de Niembro foi transmitido em um dos programas de TV mais assistidos de Buenos Aires no fim de semana, o Almorzando con Mirtha Legrand, do Canal 13, e ele assegurou ter conversado com os torcedores e conhecido a real intenção dos choques com os policiais nos arredores da Casa Rosada e da Praça de Maio.

"Os violentos quiseram aparecer. Sabe para quê? Queriam levar o caixão até o cemitério", revelou Niembro. "Viam Maradona como uma oferenda. No mundo, os líderes políticos são levados no ombro. E os barras têm muita capacidade para fazer dano na Argentina. Eles entendiam que Maradona já lhes pertencia. Se isso [o roubo] acontece, queriam levá-lo até o estádio do Boca e do Argentinos Juniors", completou.

O Canal 13 mostrou depois imagens dos barras no Pátio das Palmeiras na Casa do Governo. Todos, de fato, se comportavam como se estivessem numa arquibancada, cantando e tocando instrumentos musicais. Rafa Di Zeo, um dos líderes da Doce, principal barra do Boca, esteve na cerimônia íntima reservada à família na Casa Rosada. Di Zeo e Maradona eram amigos, e Diego esteve inclusive em seu casamento.

Além da torcida do Boca, brigaram com a polícia também as barras do Almirante Brown, do Racing e do Gimnasia y Esgrima de La Plata, equipe que era treinada por Maradona. A presença dos barras do Gimnasia desatou fúria também do "público comum": enquanto os torcedores organizados chegavam e entravam, os fanáticos passavam até cinco horas na fila para ficar apenas dez segundos em frente ao caixão de Diego.