PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Asa traseira vira preocupação para Max, mas Red Bull crê em "solução fácil"

Max Verstappen, piloto da Red Bull, é o líder do campeonato - CARL DE SOUZA/AFP
Max Verstappen, piloto da Red Bull, é o líder do campeonato Imagem: CARL DE SOUZA/AFP
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

25/11/2021 04h00

O campeonato mais disputado da Fórmula 1 nos últimos anos também tem sido o campeonato das asas traseiras, com a Mercedes de Lewis Hamilton e a Red Bull de Max Verstappen pressionando a Federação Internacional de Automobilismo ao mesmo tempo em que tentam melhorar a eficiência de seu equipamento. Mas o que tem chamado a atenção nas últimas quatro corridas é a dificuldade que a equipe do holandês e líder do campeonato tem tido com uma peça que não teve nenhuma atualização visível.

Eles começaram tendo problemas no acionamento do DRS em Austin, mas isso não comprometeu o rendimento e Verstappen venceu a prova. No México, foi usada uma asa diferente devido às características da pista, e o problema foi outro, resolvido com pequenas tiras de fibra de carbono sendo coladas para garantir a integridade da peça. A Red Bull voltou a usar a asa de Austin no Brasil, e ela passou a apresentar um movimento estranho quando o DRS estava ativado, o que piorou no Catar, quando foi visível que ela ficava tremulando no final da reta.

O problema é no mecanismo hidráulico que fica no centro da asa e que controla a abertura do DRS. Ele não está aguentando a força exigida para mantê-la aberta, e por isso a lâmina começa a se mexer. Isso traz perda de performance e ainda a possibilidade que o sistema quebre. Por isso, o delegado técnico da FIA, Jo Bauer, passou horas na garagem da Red Bull no sábado no Catar observando o trabalho da equipe, que acabou decidindo usar outro tipo de asa, comprometendo o acerto de seu carro. Na corrida, Hamilton venceu, Verstappen foi segundo e a vantagem do holandês agora é de oito pontos, com 52 em jogo nas duas últimas provas.

Mas por que a Red Bull só teve esse problema na reta final do campeonato?

Uma teoria é que a asa de Austin tenha se desgastado com as ondulações da pista norte-americana, o que se agravou no Brasil, e a equipe não teve tempo de reforçar a asa como deveria para o Catar, já que as corridas foram realizadas em sequência.

Outra possibilidade é que a Red Bull tenha tentado tirar peso de sua asa, e por isso teve o problema. Mas, de qualquer maneira, o chefe Christian Horner está otimista. "Do ponto de vista da confiabilidade, deve ser relativamente fácil arrumar, pois não é uma tecnologia nova, é algo que usamos há muito tempo."

Reforçar essa parte da asa seria mesmo a solução, já que mudar o desenho da peça exigiria que a equipe gastasse uma ficha de desenvolvimento, e eles não têm mais nenhuma disponível.

Não é de agora que as asas traseiras são protagonistas na temporada

red bull espanha - REUTERS/Albert Gea - REUTERS/Albert Gea
A asa traseira da Red Bull começou a chamar a atenção no GP da Espanha, em maio
Imagem: REUTERS/Albert Gea

Tudo começou quando a Mercedes questionou a flexibilidade da asa traseira da Red Bull na primeira metade do campeonato, e o time de Max Verstappen contra-atacou não apenas com uma peça que passava pelos novos testes introduzidos pela FIA para atestar sua legalidade, como também com um formato que melhorava sua velocidade de reta.

Com o passar das provas, contudo, a Red Bull foi notando que a velocidade da Mercedes foi melhorando, especialmente no final das retas. Primeiro, eles acreditavam que havia algo diferente no motor, mas depois começou a observar um movimento diferente no equipamento dos rivais.

No Brasil, a Red Bull fez uma reclamação à FIA, pedindo que a entidade endurecesse os testes de rigidez, uma vez que o regulamento proíbe que peças aerodinâmicas se movam. Esse novo teste começou a ser feito no Catar, mas sem o poder de punir uma equipe caso ela não passe (isso porque não foi feita uma diretiva técnica, como aquela que obrigou a Red Bull a reforçar sua asa no meio da temporada, já que isso só pode ser feito dando tempo para que as equipes se adaptem). De qualquer maneira, o próprio Horner admitiu que a asa da Mercedes não estava com o mesmo movimento apresentado no Brasil.

"Acho que o teste que foi introduzido deve fechar qualquer oportunidade de manobra. É encorajador que, pela primeira vez desde antes de Silverstone, conseguimos ter a mesma velocidade de reta deles, a qual estava aumentando de forma exponencial nas corridas", disse, referindo à prova, em julho, em que a Mercedes estreou sua única grande atualização do ano.

Um bom tira-teima das asas será na próxima etapa, na Arábia Saudita, de 5 de dezembro. A pista, que estreia no campeonato, tem longas retas e deve ser o circuito de rua mais rápido do calendário.