PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Por que Fórmula 1 não agrupa GPs por proximidade geográfica no calendário?

Após o GP do Azerbaijão (foto) a F1 volta à pista cinco dias depois em Montreal, a 9.000km de distância - Clive Rose/Getty Images
Após o GP do Azerbaijão (foto) a F1 volta à pista cinco dias depois em Montreal, a 9.000km de distância Imagem: Clive Rose/Getty Images
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

18/10/2021 04h00

Sempre que a Fórmula 1 divulga um novo calendário, surge a mesma pergunta: por que a categoria não agrupa os GPs que estão próximos geograficamente? Ainda mais em tempos nos quais o esporte busca formas de ser mais sustentável, minimizar as horas de viagem faz todo o sentido, e os detentores dos direitos comerciais da F1, a Liberty Media, tinham isso como meta quando assumiram a categoria, em 2017. Mas eles acabaram descobrindo que a tarefa não é tão simples quanto parece.

A temporada 2022, que será a mais longa da história, com 23 provas, começa com uma dobradinha (ou seja, duas corridas em finais de semana seguidos) que faz sentido: Bahrein (onde serão realizados os últimos testes antes de o campeonato começar) e Arábia Saudita. Mas depois é a vez de Melbourne, Imola (numa data que, na verdade, seria da China), Miami e Espanha. E engana-se quem pensa que, a partir da etapa espanhola, a F1 segue na Europa, pois há uma corrida no Canadá no começo de junho, que antecede o GP do Azerbaijão — e elas são etapas feitas sem intervalo, ou seja, uma dobradinha em lugares separados por quase 9.000km.

Isso acontece por uma série de motivos. O primeiro deles é que as datas de alguns GPs são garantidas por contrato. Montreal, Singapura e Mônaco são três bons exemplos. Fora isso, a categoria sempre fica mais à mercê de países que desembolsam mais dinheiro para fazer a prova, como o Azerbaijão e a Rússia.

Isso nos leva à pressão que a categoria sofre dos promotores para a escolha das datas. Na China, por exemplo, a corrida sempre evita concorrer com o festival Qingming, feriado prolongado no qual Xangai fica vazia. Em São Paulo, evento em que a maioria das pessoas nas arquibancadas vem de fora da capital, o pensamento é o contrário: a preferência é que a prova coincida com o feriado da Proclamação da República. Nas contas do governo da cidade de São Paulo, que arca com as taxas para a realização da prova, a arrecadação cresce em até 25% (de 100 a 140 milhões a mais) quando o GP cai em um feriado. No Japão, o pensamento é semelhante, e a prova sempre cai no domingo anterior ao feriado dos esportes do país.

gp de Singapura - Clive Mason/Getty Images - Clive Mason/Getty Images
GP de Singapura é um exemplo de corrida cuja data é definida por contrato
Imagem: Clive Mason/Getty Images

À Liberty, cabe atender a estes pedidos porque, se o evento atrai mais pessoas, eles também podem cobrar a mais por isso, sempre lembrando que este dinheiro é, em parte, repassado às equipes, que acabam concordando com o calendário muitas vezes pouco prático do ponto de vista logístico por motivos financeiros.

Um bom exemplo é a sequência de três corridas em finais de semana seguidos, que estreou em 2018 por conta da Copa do Mundo. Elas voltaram ano passado com a justificativa da pandemia, continuaram em 2021 pelo mesmo motivo e estão programadas novamente em 2022: serão seis corridas em sete finais de semana seguidos, na Bélgica, Holanda, Itália, Rússia, Singapura e Japão.

Para as equipes, uma sequência como esta última também acaba gerando economia porque, se os GPs de Singapura e do Japão, por exemplo, fossem separados por duas semanas, os funcionários e equipamentos retornariam à Europa. Então é uma maneira de ganhar mais dinheiro e gastar menos, mesmo que isso sobrecarregue os profissionais.

"Acho que temos de ser realistas e não esperar que façamos mais corridas, gerando mais renda, em um período menor de tempo, sem esse tipo de sequência. É claro que podemos encurtar o formato do fim de semana, fazendo com que seja um evento de três dias, mas estamos felizes com o sucesso e a demanda pela F1. É positivo que não estejamos reclamando porque não estamos fazendo tantas corridas", disse o chefe da Alfa Romeo, Fred Vasseur. Seus pares usam o argumento de que, na verdade, é positivo que a F1 esteja ampliando seu calendário (há seis anos, eram realizadas 19 provas) sem ter de correr entre dezembro e o final de março.

Mas a questão dos feriados e das datas definidas em contrato não são as únicas que afetam o calendário. É de praxe que os organizadores não queiram que suas provas concorram por público com outras que estão geograficamente próximas, principalmente no caso de GPs que contam com muitos torcedores vindos do exterior, como Azerbaijão ou Abu Dhabi, por exemplo. Nos Emirados, inclusive, por anos foi paga uma taxa adicional para que o GP de Yas Marina encerrasse a temporada.

Barreiras climáticas

rússia - Rudy Carezzevoli/Getty Images/Red Bull - Rudy Carezzevoli/Getty Images/Red Bull
GP da Rússia vai ter de mudar de data a partir de 2023, quando passar a ser disputado em São Petersburgo
Imagem: Rudy Carezzevoli/Getty Images/Red Bull

Para finalizar, como trata-se de um evento a céu aberto, o fator clima tem de entrar na conta. É impraticável pensar em correr no Oriente Médio no verão por lá (no meio do ano), da mesma forma em que as provas europeias não podem ser disputadas no começo ou no final do ano.

Isso acontece tanto para o evento ser mais atrativo para o público, quanto para o próprio funcionamento dos carros e pneus, que performam melhor quando a temperatura ambiente não está muito abaixo dos 10ºC e não passa dos 35ºC. E a F1 também busca evitar ter eventos com muita chuva - a prova brasileira, por exemplo, passou de março para novembro muito em função disso.

Aliás, falando na questão climática, a partir de 2023 a categoria terá outra prova para acomodar em seu já super populado meio do ano, já que o GP da Rússia vai mudar de Sochi, cidade mais ao sul do país que tem clima ameno até mesmo fora do verão, para São Petersburgo, onde não será possível fazer o GP no final de setembro, como ocorre hoje.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL