PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Hiato de 10 semanas entre vitórias de Hamilton foi marcado por reviravoltas

Lewis Hamilton, da Mercedes, durante GP da Holanda de Fórmula 1 em 2021 - Clive Rose - Formula 1/Formula 1 via Getty Images
Lewis Hamilton, da Mercedes, durante GP da Holanda de Fórmula 1 em 2021 Imagem: Clive Rose - Formula 1/Formula 1 via Getty Images
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

27/09/2021 04h00

Líder do campeonato da Fórmula 1 pela terceira vez neste ano, Lewis Hamilton voltou a vencer depois de um hiato de 10 semanas desde a conquista do GP da Grã-Bretanha, o maior desde 2016 para o inglês, que chegou ao impressionante número de 100 triunfos na carreira na categoria. De julho para cá, apenas uma das corridas pode ser considerada normal - o GP da Holanda, vencido tranquilamente por Max Verstappen - o que é uma amostra da temporada atípica que a F1 está vivendo.

Hamilton sozinho no grid

Duas semanas após a vitória de Hamilton em Silverstone, que veio mesmo depois de um acidente com Verstappen e uma punição de 10 segundos durante a prova, a Fórmula 1 foi para a Hungria. O inglês largou na pole e escapou de um acidente que envolveu vários carros, inclusive Verstappen, acertado pela McLaren de Lando Norris, que por sua vez tinha sido atingida por Valtteri Bottas.

Verstappen continuou na pista com o carro bastante avariado, dando uma chance de ouro para Hamilton. No entanto, a Mercedes optou por não chamar o inglês aos boxes na relargada após a bandeira vermelha causada pelo acidente do início. Isso gerou uma das cenas mais bizarras da temporada até aqui, com Hamilton alinhando sozinho no grid enquanto todos os outros trocavam os pneus intermediários pelos de pista seca. Hamilton teve de parar, foi para o último lugar, e chegou em segundo (ajudado pela desclassificação de Sebastian Vettel por não ter combustível suficiente para inspeção).

A corrida que não existiu

gp da bélgica 2021 - CHRISTIAN HARTMANN/REUTERS - CHRISTIAN HARTMANN/REUTERS
GP da Bélgica de Fórmula 1 com safety car
Imagem: CHRISTIAN HARTMANN/REUTERS

A corrida seguinte foi na Bélgica e, na realidade, não aconteceu. A classificação já foi disputada sob chuva, e Hamilton alinhou em terceiro, atrás da surpresa George Russell (no que foi, por si só, um momento surpreendente na temporada) e de Verstappen. No domingo, choveu tanto em Spa-Francorchamps que a corrida teve apenas três voltas sob Safety Car, e efetivamente valeu o resultado do sábado, com metade dos pontos sendo dados aos pilotos.

A Fórmula 1 teria um fim de semana de mais normalidade na casa de Verstappen, em Zandvoort, onde o holandês foi dominante. Foi lá que Max retomou a liderança do campeonato, que tinha perdido após o GP da Hungria.

Reviravoltas em Monza

hamilton verstappen acidente monza - Reprodução/F1TV - Reprodução/F1TV
Lewis Hamilton e Max Verstappen batem na 25ª volta do GP da Itália, em Monza
Imagem: Reprodução/F1TV

Na Itália, a expectativa era de que a Mercedes dominasse, mas uma largada ruim de Hamilton o fez perder posições no começo da sprint, uma minicorrida usada naquele fim de semana para definir o grid. Ele chegou em quinto naquela prova e, para piorar a situação, a Mercedes já tinha decidido levar uma punição tática com Bottas, trocando seu motor. Isso quis dizer que Verstappen largou na frente no domingo, e Hamilton saiu só do quarto lugar.

No domingo, mais uma reviravolta: a McLaren de Daniel Ricciardo pulou na frente, e o australiano dominou a prova, enquanto Hamilton ficava preso atrás do outro carro laranja, de Norris. Mas a corrida ainda guardaria outras surpresas: a Red Bull, geralmente a equipe mais rápida nos pit stops, cometeu um erro na parada de Verstappen, e isso deu a chance de Hamilton emparelhar com o rival após sua parada. E os dois bateram, abandonando a prova.

Do muro à glória em Sochi

hamilton atropela mecânico - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Lewis Hamilton se desculpa após atropelar mecânico em GP da Rússia
Imagem: Reprodução/Instagram

Duas semanas depois, foi a vez do GP da Rússia, que teve seus próprios dramas: no treino livre, Hamilton atropelou um mecânico após acionar um botão erroneamente; no sábado, numa classificação disputada sob chuva, o inglês perdeu o controle do carro quando entrava nos boxes e bateu, danificando sua asa dianteira. E, depois, acabou batendo de novo em sua última volta lançada, com os pneus frios. Assim, o favorito em Sochi largou em quarto, enquanto Verstappen aproveitou este fim de semana para trocar de motor, o que significou que ele largaria em último.

O holandês estava escalando o pelotão até o sétimo lugar quando começou a chover, com sete voltas para o fim. Tomou a decisão de colocar os pneus intermediários na hora certa, e chegou em segundo, numa corrida que foi vencida por Hamilton.

Quem é o favorito?

Foram tantas reviravoltas em apenas seis corridas, de Silverstone até aqui, que é difícil apontar um favorito para a temporada, ainda que a maioria das sete pistas restantes favoreçam, em teoria, a Red Bull. Por conta disso, quando perguntados sobre o quão confiantes estão em relação ao título, Verstappen e Hamilton desconversaram.

O holandês disse que sua chance é de 50%: "ou sim, ou não", explicou. Enquanto Hamilton lembrou que já aconteceu um pouco de tudo na temporada. "Não foi só nas últimas duas corridas: houve várias em que não maximizamos o resultado. Não há dúvida de que será duro. Acho que, nestes dois terços de campeonato até aqui, eles tiveram uma vantagem marginal. No entanto, aconteceu todo tipo de coisa com nós dois e com nossas equipes. O campeonato está aberto nestas últimas corridas. Há uma sequência de circuitos em que antecipo que a batalha entre nós será bem apertada. Só espero conseguir fazer boas corridas."

Hamilton se refere especialmente à Turquia e Estados Unidos, onde é difícil apontar de antemão um favorito claro. Depois, a F1 vai para o México, Brasil, provavelmente Qatar, Arábia Saudita (em um circuito novo) e Abu Dhabi. O GP da Turquia será dia 10 de outubro.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL