PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Pole Position


As equipes escondem mesmo o jogo na F-1? Tire suas dúvidas sobre os testes

Sebastian Vettel, da Ferrari, durante teste coletivo no Circuito da Catalunha, na Espanha - Ferrari
Sebastian Vettel, da Ferrari, durante teste coletivo no Circuito da Catalunha, na Espanha Imagem: Ferrari
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

26/02/2020 12h51

Será que as equipes escondem mesmo o jogo? E o que são aquelas "grades" que eles colocam nos carros? E por que cada equipe só usa um carro por vez? Os testes da Fórmula 1 são cheios de detalhes diferentes das corridas, que se enchem de dúvidas nesta época do ano enquanto os carros se prepararam para mais um campeonato.

Confira as dúvidas comuns sobre os testes de pré-temporada da F-1:

Há limites? De pilotos por equipe, carros, motores, voltas, etc.

O regulamento esportivo não fala em limite de pilotos por equipe - e inclusive pilotos sem superlicença podem testar, desde que seu carro esteja sinalizado com uma luz verde - ou carros, peças, motores, voltas, etc. O que existem são muitas restrições à quantidade de testes (100km de shakedown, coletivos e somente para desenvolvimento dos pneus), horários para os testes coletivos (das 9h às 18h com parada de 1h para almoço) e é só. Mas a lógica acaba mais ou menos padronizando tudo isso. Como os dias de testes são limitados, o melhor é que os dois pilotos titulares andem o máximo possível. Quanto aos carros, a agenda das equipes é feita de maneira que o segundo chassi esteja sendo montado enquanto o primeiro é testado, assegurando que o máximo de tempo possível de desenvolvimento seja usado, então os times só levam um carro para o teste. E um dos testes que eles fazem com os motores é para avaliar sua vida útil, então não faz sentido usar várias unidades (que não são usadas depois nas corridas).

Como se sabe quais carros são melhores? O pessoal esconde mesmo o jogo?

Não é necessário correr dentro do regulamento nos testes, então times no passado usaram isso para andar abaixo do peso mínimo e atrair patrocinadores. Mas foram casos isolados, numa época em que se podia testar muito mais. Hoje em dia, falar em "esconder o jogo" é tão somente uma "análise" extremamente preguiçosa e sem conhecimento.

Mas como se sabe quem está bem ou não? Há uma série de indicativos sobre os quais já escrevi no passado.

Como é o transporte do equipamento?

Como ocorre também nas etapas europeias, o equipamento é transportado por caminhões. Eles trazem, inclusive, os motorhomes das equipes, que para os testes são versões menores do que eles geralmente levam para as provas no caso de algumas equipes, como Mercedes e Ferrari (isso significa que não há comida para nós, jornalistas, mas deixemos os perrengues dos testes para outro post).

Voltando aos carros, neste ano foi menos comum ver isso devido à estabilidade do regulamento, mas se peças novas trazidas durante o teste, se não forem grandes, são levadas por funcionários, na própria mala. Então vira e mexe você vê algum membro de equipe chegando com alguma mala de formato "suspeito". Pode ser algo novo ou alguma peça de reposição.

O que os pilotos fazem enquanto os companheiros pilotam?

Isso depende do piloto e da programação. Há a possibilidade da equipe querer reproduzir o mesmo programa com ambos os pilotos no mesmo dia (e isso aconteceu muitas vezes nesta semana por serem 3 ao invés de 4 dias de teste) e então um pilota de manhã, e outro à tarde. Nesse caso, é comum que o piloto tenha outros compromissos quando não está no carro, como reuniões com engenheiros e entrevistas e ele fica por lá.

No caso do planejamento do time prever que apenas um piloto vai andar no dia, o mais normal é que o outro fique descansando, até porque eles andam muito - chegam a fazer mais de 2 GPs da Espanha em um mesmo dia, isso numa época do ano em que o pescoço principalmente não está acostumado às forças G, então não são semanas fáceis fisicamente para eles. Mas sempre tem algum piloto mais nerd que gosta de acompanhar tudo de perto.

Williams usa equipamento que ajuda a coletar dados aerodinâmicos - Williams
Williams usa equipamento que ajuda a coletar dados aerodinâmicos
Imagem: Williams

O que são as "grades" que as equipes usam nos carros?

São sensores que mostram qual o fluxo de ar ao redor do carro. Dependendo de onde está o fluxo que se quer medir, eles têm formas e são colocados em posições diferentes. As equipes, então, comparam esses dados com o que obtiveram em seus túneis de vento e, assim, fazem a correlação, fundamental para seguir o desenvolvimento do carro ao longo da temporada.

Teste é transmitido pela TV?

Os testes não eram transmitidos nem para a gente que fica na sala de imprensa. Tínhamos acesso a uma tela azul horrorosa com os tempos, que parecia de algum sistema dos anos 80, e tínhamos que torcer para as câmeras de segurança do circuito captarem alguma coisa. Isso mudou neste ano, quando a F1 tomou o controle do teste da FIA. Para quem não entende essa separação, a F1 (leia-se Liberty) é quem detém os direitos comerciais e de transmissão. Então, pela primeira vez, eles transmitiram os testes com estrutura semelhante à usada nas corridas - tanto para nós, na sala de imprensa, quanto para o Reino Unido e a Itália com a Sky, ambas a cabo. E também para quem tem a F1TV (não disponível no Brasil devido ao contrato de exclusividade da Globo, mas isso é algo que pode mudar em breve). O mais curioso de tudo isso é que o tal DAS da Mercedes só pôde ser observado por conta disso: sem as câmeras onboard que só foram instaladas neste ano no teste, só saberíamos sobre sua existência na Austrália!

Como as equipes contextualizam dados para outros circuitos? E por que testam em Barcelona?

Foram várias perguntas nesse sentido e elas se conectam. O circuito de Barcelona está localizado em um lugar privilegiado em termos de clima na Europa, onde já nem há (geralmente, porque há dois anos nevou, mas como vocês sabem o clima anda meio maluco) cara de inverno nessa época do ano. Então a avaliação geral é de que vale a pena testar em um lugar em que está um pouco mais frio do que nas corridas, mas que não seja tão caro quanto voar para o Bahrein, por exemplo (lembrando da resposta acima, as peças continuam chegando ao longo das semanas, então o tempo de transporte também é considerado). Testar em Barcelona é visto como um bom meio termo.

E, com base em todas as informações que as equipes vão coletando ao longo dos anos, eles vão podendo simular o comportamento do carro nas demais pistas baseando-se em Barcelona, que ajuda por ser muito completa: tem uma reta longa, curvas de alta, média e baixa velocidades.

Depois de três dias de atividades na semana passada, os testes recomeçaram nesta quarta-feira e serão realizados até esta sexta. A primeira corrida do ano será na Austrália, de 15 de março.

Pole Position