PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Pole Position


Red Bull mantém pintura intacta, mas vem com "chifres" em novo carro

Carro da Red Bull para a temporada 2020 da F1 - Divulgação/Red Bull
Carro da Red Bull para a temporada 2020 da F1 Imagem: Divulgação/Red Bull
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

12/02/2020 06h20

Com a missão de entrar de vez na luta pelo título, a Red Bull lançou nesta quarta-feira seu carro para a temporada 2020 da Fórmula 1, divulgando apenas imagens na internet pela manhã, e logo depois colocou o RB16 na pista em Silverstone, para um teste simples que checa os sistemas do carro antes da primeira sessão de testes coletivos, marcada só para a semana que vem, na Espanha.

O time vai contar com a mesma dupla que terminou o ano passado: Max Verstappen, que recentemente anunciou a extensão de seu contrato até o final de 2023 com a Red Bull e foi o primeiro a andar no novo carro, e Alex Albon, que estreou em 2019 e foi alçado da Toro Rosso, equipe B da Red Bull, ao time principal na metade da temporada. O tailandês agradou e permaneceu no time.

Na imagem de lançamento, o detalhe que chama a atenção são as duas aletas colocadas próximas às rodas dianteiras do carro, na parte central, para canalizar o ar naquela região, que é fundamental para o equilíbrio e pressão aerodinâmica do projeto como um todo. Mas a pintura permaneceu a mesma. No lançamento, inclusive, a equipe apontou que "as pinturas são feitas para durar."

O que mudou, contudo, foi o capacete de Max Verstappen, que será menos laranja e mais branco nesta temporada:

Existe a expectativa de evolução da Red Bull no segundo ano da parceria da equipe com a Honda. As dúvidas a respeito da arriscada decisão de trocar a Renault pelos japoneses, que tiveram dificuldades desde que retornaram à F-1 em 2015, ficaram pelo caminho ano passado, em que o plano era acelerar o desenvolvimento mesmo que isso significasse usar mais motores e, com isso, ter mais punições (uma vez que o regulamento prevê o uso de três motores por ano por piloto). Mas os números do motor Honda no final da temporada se aproximaram significativamente de Mercedes e Ferrari, e Verstappen foi o único piloto que obteve três pódios nas três últimas corridas, o que lhe deu a terceira colocação no mundial.

Além da evolução do motor em si, o segundo ano da parceria dá à Red Bull a possibilidade de integrar melhor o carro com o motor, grande motivo pelo qual eles decidiram acabar com a parceria com a Renault, que dá prioridade a sua equipe de fábrica.

Sobre o carro, o consultor Helmut Marko disse antes do lançamento que o projeto estava adiantado em duas semanas e tinha "um grande conceito". Ele também afirmou que, no segundo ano da parceria com a Honda, o time "não tem mais desculpas" para não estar na disputa pelo título.

A Red Bull foi campeã pela última vez em 2013, antes da adoção do atual motor V6 híbrido turbo, e na época em que os motores, V8, tinham o desenvolvimento congelado. Com isso, a aerodinâmica era mais importante do que hoje. Foi após essa mudança, em 2014, que teve início o domínio da Mercedes, que ganhou todos os campeonatos desde então. A aposta do time de Verstappen e Albon pela Honda visa justamente atuar como uma equipe de fábrica, a exemplo de Mercedes e Ferrari, para lutar por títulos em uma Fórmula 1 em que o motor voltou a ser peça fundamental da performance.

Confira as datas dos lançamentos dos carros de 2020 da F-1:

12.02 Red Bull e Renault
13.02 McLaren
14.02 Alpha Tauri e Mercedes
17.02 Racing Point e Williams
19.02 Alfa Romeo e Haas

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do que foi publicado anteriormente, o lançamento foi nesta quarta-feira e não quinta-feira. E Alex Albon estreou em 2019, e não em 2018.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Pole Position