PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Atleta morre afogado durante Campeonato Brasileiro de Canoagem

Gilmar Dietrich - Divulgação
Gilmar Dietrich Imagem: Divulgação
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

25/10/2021 16h42

Um atleta de 66 anos morreu afogado ontem (24) durante o Campeonato Brasileiro de Canoagem Maratona, disputado no Lago Paranoá, em Brasília. Gilmar Dietrich, o "Gaúcho", que representava o Clube de Regatas de Curitiba, da capital paranaense, teria sofrido um mal súbito enquanto competia.

De acordo com o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal, o canoísta foi resgatado no fundo do lago, a cerca de 14 metros da superfície, em uma operação que envolveu helicóptero, duas lanchas, uma moto aquática e 20 militares, incluindo mergulhadores.

O caiaque de Gilmar virou enquanto ele fazia o contorno de uma das boias —na canoagem maratona, diferentemente da velocidade, disputada na Olimpíada, o percurso é circular — depois de percorrer menos de 5 quilômetros dos 18 previstos para a prova. Como é de praxe no esporte, ele não usava colete salva-vidas e, segundo relatos, sofreu um mal súbito. Por isso, não conseguiu nadar.

Os bombeiros ainda tentaram reanimar o atleta, por cerca de 40 minutos, sem sucesso. "Gilmar, atleta experiente do Clube Regatas Curitiba, veio a falecer a cerca de 50 metros do píer do Clube Cota Mil. Ele recebeu todo o atendimento médico e de resgate disponível no evento", disse, em nota, a Federação Brasiliense de Canoagem, que organizou o campeonato.

Segundo a Confederação Brasileira de Canoagem, todos os atletas apresentam previamente um documento médico de aptidão física para a prática da modalidade em competições. A entidade disse que "todos os procedimentos de primeiros socorros foram prestados no momento do incidente, assim como o devido suporte para a família do atleta".