PUBLICIDADE
Topo

Mercado da Bola

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Flamengo oferece 13 milhões de euros por 70% dos direitos de Everton

Everton Cebolinha tem contrato válido com o Benfica até junho de 2025 - Carlos Rodrigues/Getty Images
Everton Cebolinha tem contrato válido com o Benfica até junho de 2025 Imagem: Carlos Rodrigues/Getty Images

Colunista do UOL

04/02/2022 07h53

Decidido a avançar com a contratação de Everton Cebolinha, especialmente por ser um pedido especial de Paulo Sousa, o Flamengo traçou uma nova estratégia para convencer o Benfica a aceitar a negociação: 13 milhões de euros (R$ 79 milhões) por 70% dos direitos econômicos do jogador. Há ainda um valor extra por objetivos (metas atingidas), mas, desta vez, sem a inclusão do lateral-esquerdo Ramon como "moeda de troca" no acordo.

Os números mais recentes do negócio estão sendo discutidos desde o início desta semana entre as partes envolvidas, mas existe a expectativa de uma reunião presencial em Lisboa nos próximos dias para tratarem da transferência do atacante. A cúpula do Rubro-negro, liderada por Marcos Braz e Bruno Spindel, já está na Europa, inicialmente com passagem por Londres, onde vai discutir o futuro de Andreas Pereira com o Manchester United.

Com o mercado da bola na Europa fechado, o que tem impacto direto na busca por eventuais substitutos, o clube português não promete facilitar nas conversas com o Flamengo, principalmente porque gostaria de recuperar pelo menos o valor investido (por 100% dos direitos econômicos) para tirar Everton do Grêmio em agosto de 2020: 20 milhões de euros - os gaúchos ficaram com 20% de mais-valia. A princípio, uma saída por empréstimo está fora de cogitação.

Dono da maior multa rescisória da história do futebol português (150 milhões de euros, ou seja, R$ 908 milhões), num contrato válido até junho de 2025, Everton Cebolinha chegou a Portugal pelas mãos de Jorge Jesus. Tem vivido desde então de altos e baixos, sendo muitas vezes reserva, e perdeu espaço na seleção brasileira. Virou titular com a saída de Jesus, que foi demitido em dezembro passado, mas ainda não convenceu.