PUBLICIDADE
Topo

Lei em Campo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

PL que cria nova "Lei Geral do Esporte" e ataca corrupção ganha apoios

Lei em Campo

Andrei Kampff é jornalista formado pela PUC-RS e advogado pela UFRGS-RS. Pós graduado e mestrando em Direito Desportivo, é conselheiro do Instituto Ibero Americano de Direito Desportivo e criador do portal Lei em Campo. Trabalha com esporte há 25 anos, tendo participado dos principais eventos esportivos do mundo e viajado por 32 países atrás de histórias espetaculares. É autor do livro "#Prass38".

10/09/2021 08h19

Por Gabriel Coccetrone

No último dia 19 de agosto, o secretário nacional de Esporte de Alto Rendimento do Ministério da Cidadania, Bruno Souza, defendeu na Câmara dos Deputados uma ampla atualização da Lei Pelé (Lei 9.615/98) com base no Projeto de Lei que está em tramitação no Senado Federal que cria a Lei Geral do Esporte (PLS 68/17).

"Vislumbro a necessidade de atualização da lei que dispõe sobre as relações desportivas, devendo haver o aperfeiçoamento da redação da norma com base nas lacunas legislativas registradas nas últimas décadas no esporte brasileiro. Para tanto, a criação de uma nova lei, redigida através de um movimento de juristas que atuam diretamente com as especificidades do esporte, de forma a ampliar o respaldo jurídico quanto às demais modalidades esportivas, e com maior abrangência no que se refere às obrigações de boa governança, a devida responsabilização dos dirigentes em casos de gestões temerárias, a proteção ao torcedor, que é consumidor do esporte, me parece premente", afirma Ana Mizutori, advogado especialista em direito desportivo.

O advogado Maurício Corrêa da Veiga, especializado em direito desportivo e colunista do Lei em Campo, entende a mudança como importante.

"O ideal seria um novo diploma, com abordagem em capítulos, acerca dos temas relacionados ao direito desportivo (contrato de trabalho, formação, desporto não profissional, e etc). Enquanto isso não ocorre é necessário o debate de alterações legislativas que possam contemplar a dinâmica do direito desportivo", avalia.

"Seria muito mais importante esta comissão se empenhar em estudar um projeto mais amplo e completo em vez de se debruçar sobre mais um retalho da Lei Pelé", disse Souza à Agência Câmara de Notícias.

Previsto para ser analisado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, o projeto que cria a Lei Geral do Esporte foi elaborado em 2016 por uma comissão de juristas e apresentado em 2017 pela Comissão Diretora da casa.

Em cerca de 270 artigos, a proposta de Lei Geral do Esporte visa consolidar normas sobre o esporte e discutir temas como financiamento público e privado, corrupção, gestão, regime de trabalho de atletas e treinadores, infraestrutura, e outros mais. Confira alguns dos destaques:

Cuidado com alojamentos

Uma das previsões do texto em análise é de obrigar as entidades desportivas formadoras de atletas a encaminharem ao Ministério Público (MP), todo ano, laudos técnicos de órgãos responsáveis (Bombeiros, Vigilância Sanitária, prefeituras) pela vistoria das condições de segurança dos alojamentos. O projeto foi apresentado pelo senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) logo após o incêndio no Ninho do Urubu, em fevereiro de 2019, que vitimou dez adolescentes.

Inclusão social

O presidente da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), Walmir Mota Campos, propôs o uso do esporte como ferramenta de inclusão social, por meio de incentivo a parcerias entre clubes, confederações, federações e escolas.

"Os esportes olímpicos vivem uma realidade diferente da observada no futebol. Não podemos correr o risco de, ao impor uma série de obrigações para clubes e associações, acabar fechando as portas dessas entidades em vez de fomentar a iniciação de atletas", declarou.

Clube formador

O diretor jurídico Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Luiz Fernando Santoro, disse que a entidade atualmente é a responsável por certificar os clubes que alcançam o nível exigido (Resolução 01/19) para serem reconhecidos como clubes formadores. Atualmente, de um total de 742 clubes profissionais, 38 possuem o Certificado de Clube Formador emitido pela confederação.

Santoro explicou, no entanto, que o certificado da CBF não substitui a competência do poder público, por meio de órgãos técnicos, de autorizar o funcionamento do local como centro de treinamento e formação. "Quem vai dizer se o local pode funcionar são as licenças públicas emitidas em favor daquele clube", afirmou.

O certificado emitido pela CBF, segundo a entidade, serve atualmente para a aplicação do mecanismo de solidariedade, que assegura aos clubes formadores do atleta, a cada transferência internacional do jogador, direito a 5% dos valores envolvidos.

Escolas

Os representantes do Conselho Federal de Educação Física (Confe), Antônio Carunda, da Confederação Brasileira de Desporto Escolar (CBDE), Robson Aguiar, e da Federação de Remo do Estado do Rio de Janeiro, João Pereira, sustentaram que a base para um sistema nacional de formação de atletas deve estar na escola.

"Antes de pensar em outras estruturas, como clubes, deve-se pensar na escola", ressaltou Carunda.

"Ajustes feitos na Lei Pelé podem perpetuar insuficiências no ordenamento jurídico-desportivo. Talvez a unificação dos diversos dispositivos esparsos no arcabouço legal do desporto parece ser mais adequado e eficaz. O PLS 68/2017 apresenta inúmeras medidas capazes de conferir o progresso no setor, estabelecendo a melhor atuação de seus integrantes, cabendo, ainda, pelo tempo em que foi submetida ao Congresso Nacional, já ser atualizada para as demandas contemporâneas do esporte", finaliza Ana Mizutori.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL