PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

Champions tem primeira semifinal sem Messi ou Cristiano Ronaldo desde 2005

Lionel Messi lamenta um dos gols sofridos pelo Bayern contra o Barcelona, em jogo da Liga dos Campeões - Michael Regan - UEFA
Lionel Messi lamenta um dos gols sofridos pelo Bayern contra o Barcelona, em jogo da Liga dos Campeões Imagem: Michael Regan - UEFA
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

14/08/2020 21h39

A Liga dos Campeões da Europa ainda nem definiu todos os semifinalistas, mas já temos uma certeza: nem Messi nem Cristiano Ronaldo estarão nela. E isso não acontecia desde 2005.

Com a humilhação histórica sofrida diante do Bayern de Munique nesta sexta - derrota por 8 a 2 -, o Barcelona, de Messi, caiu nas quartas de final. A Juventus, de Cristiano Ronaldo, havia sido eliminada na semana passada, ainda nas oitavas de final. Os dois jogadores dominam as premiações individuais da Fifa e da France Football (Bola de Ouro) desde 2008. Agora, parece que definitivamente esta era histórica vai chegando ao fim.

De 2005 para cá, quando Messi virou titular do Barcelona, o clube ganhou quatro Champions (06, 09, 11 e 15) e chegou a outras cinco semifinais (08, 10, 12, 13 e 19)

Já Cristiano Ronaldo chegou ao Manchester United em 2003. Nas duas primeiras temporadas, seu clube foi eliminado nas oitavas. De 2005 para cá, o português conquistou cinco títulos de Champions League (08 com o United, depois 14, 16, 17 e 18 com o Real Madrid), foi vice-campeão uma vez (09, quando o United perdeu do Barça, no único duelo direto entre os craques em uma decisão) e foi semifinalista outras cinco vezes (07 com o United, 11, 12, 13 e 15 com o Real).

Houve, portanto, seis semifinais de Liga dos Campeões em que os times dos dois supercraques estavam ainda vivos na disputa (08, 09, 11, 12, 13 e 15). E outras oito em que pelo menos um deles estava.

Os craques da edição 19/20 da Champions League são outros: Neymar e Lewandowski estão na dianteira, com Kevin de Bruyne, do Manchester City, correndo por fora.

A edição 2004/2005 da Liga dos Campeões, a última sem um dos craques nas semifinais, teve a histórica decisão entre Milan e Liverpool, que acabaram empatados em 3 a 3 - o título ficou para o time inglês, nos pênaltis. Kaká e Shevchenko eram os craques do Milan, Gerrard era o líder e capitão do Liverpool.

Nas semis, o Milan havia eliminado o PSV, da Holanda, e antes disso, nas oitavas, o Manchester United - Cristiano Ronaldo foi titular nas duas derrotas por 1 a 0 de seu time para o de Kaká.

Já o Liverpool havia batido o Chelsea, de Mourinho, na semifinal. O Chelsea tinha sido o algoz do Barcelona nas oitavas - era ainda o time de Ronaldinho, não de Messi, que não atuou em nenhuma das duas partidas de oitavas de final.

O Barcelona não passava uma temporada em branco desde a última de Ronaldinho no clube (2007/2008) - a partir da seguinte, Guardiola se tornaria o técnico e, Messi, o principal jogador. E a Espanha não ficava sem um time nas semifinais da Champions League desde a temporada 2006/2007.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL