PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


Como Carille pode evoluir voltando para a Arábia?

Fábio Carille, técnico do Corinthians - Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians
Fábio Carille, técnico do Corinthians Imagem: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

12/02/2020 17h57

O futebol é dinâmico demais. Fábio Carille era um expoente da nova geração. Chegou chegando, ganhando Paulista e Brasileiro. Saiu. Voltou. Hoje virou sinônimo do jogo feio.

Não era para tanto, nem para o bem nem para o mal. Carille, como auxiliar de Tite e Mano, aprendeu demais. Seus Corinthians foram bastante sólidos defensivamente, e isso importa no futebol.

Mas, hoje em dia, mais do que vimos ao longo da década, saber jogar também importa. Carille é jovem, tem um caminho longo a trilhar, poderia aprender muito, poderia viajar para onde o futebol de primeiro nível é jogado, poderia fazer curso na Uefa. Torço muito por ele, parece um profissional correto e honesto.

Resolveu voltar para a Arábia Saudita, como confirma o Blog do Perrone (o bom Perrone) aqui no UOL. Agora vai treinar o Al-Ittihad, a primeira passagem foi pelo Al Wheda.

Décadas atrás, brasileiros iam para o Oriente Médio "ensinar" futebol. Hoje, quem ensina por lá já são europeus, principalmente catalães. O eixo mudou. Brasileiros vão para ganhar dinheiro mesmo.

Já ganham bastante aqui, mas as portas se fecharam para certo estilo momentaneamente. Na Europa, não têm mercado. Mais fácil do que conquistar espaço por lá é ganhar uma grana nas Arábias. Não julgo o bolso, apenas analiso a escolha profissional.

Uma pena. Não há espaço para evolução em um futebol que está na prateleira lá de baixo. Logo logo, Carille, acabará voltando. Duvido que, futebolisticamente, volte muito diferente do que vai.

Julio Gomes