PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Nova Liga marca reunião com 40 clubes para próxima semana e discute avanços

Rodolfo Landim e Guilherme Bellintani, presidentes de Flamengo e Bahia, falam sobre criação da Liga de clubes - Igor Siqueira/UOL Esporte
Rodolfo Landim e Guilherme Bellintani, presidentes de Flamengo e Bahia, falam sobre criação da Liga de clubes Imagem: Igor Siqueira/UOL Esporte
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

24/06/2021 12h48

A nova Liga terá mais uma reunião na próxima semana, no dia 28 de junho, em São Paulo, segundo apurou o blog. Os 20 clubes da Série A e os 20 da Série B se reunirão presencialmente na capital paulista para discutir os próximos passos do grupo. O primeiro ato foi feito no Rio de Janeiro, na sede da CBF, no último dia 15.

Na pauta, estará a discussão do cronograma, de quais serão as próxias ações efetivas e, claro, a novela sobre o futuro da presidência da CBF, que está vaga após o afastamento de Rogério Caboclo. Todos querem ter mais poder na decisão de quem ocupará esse cargo, como mostrou mais cedo o blog do Marcel Rizzo.

Além de ter mais influência política na CBF, os clubes querem tomar o controle do planejamento do Brasileirão, tanto no aspecto de calendário, quanto na organização financeira e de regulamento da competição. É considerado ideal por eles que isso comece no torneio de 2022, mas tudo é tratado com cautela.

Eles admitem a necessidade de eleger um conselho para representar os 40 clubes nas discussões de pauta, mas ainda evitam destacar lideranças, embora elas surjam naturalmente nos debates.

A CBF monitora a ação dos clubes, mas vai oferecer resistência à tomada de poder. Ela reconhece que a crise política fragiliza a entidade, mas aposta nas federações para continuar controlando o principal esporte do país.