PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Palmeiras joga sem intensidade nenhuma e sofre contra o fraco Corinthians

Victor Luis, do Palmeiras, marca Gustavo Moskito, do Corinthians, em duelo pelo Brasileiro - Marcello Zambrana/AGIF
Victor Luis, do Palmeiras, marca Gustavo Moskito, do Corinthians, em duelo pelo Brasileiro Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

12/06/2021 20h53

O Palmeiras começou o jogo dando a impressão que não teria dificuldades para vencer o Corinthians. Raphael Veiga acertou o primeiro chute de longe, abriu o placar e animou o torcedor que ainda sofre com a eliminação contra o CRB. Mas não passou de uma falsa ilusão. Onde foi parar a intensidade da equipe de Palestra Itália?

Será que sumiu com as ausências de Patrick de Paula e Danilo? É a falta de Gabriel Menino que ficou no banco? Mesmo desfalcado de Gustavo Gómez, Viña e Weverton, a obrigação neste sábado (12) no Allianz Parque era de vitória dos donos da casa. No final, o Alvinegro só não venceu porque ainda mostra nítidas falhas na hora de criar jogadas.

A equipe de Abel Ferreira parece ter desligado depois de abrir 1 a 0. Passou quase 45 minutos sem incomodar Cássio e foi conseguir uma jogada certeira apenas no último lance da etapa inicial. Enquanto isso, Jailson se esforçava para evitar que o arquirrival fizesse o seu com pelo menos duas boas defesas.

Nem parecia que o Alviverde enfrentava o combalido Corinthians de Sylvinho. O time que tem sofrido para atuar e foi eliminado em todas as competições que disputou nessa temporada.

Fatou intensidade. O Palmeiras fez um jogo protocolar demais. Felipe Melo não acompanhou Gabriel em uma chance do Corinthians no primeiro tempo e repetiu o erro no segundo tempo, sendo que nessa última vez foi o suficiente para o empate. Victor Luís vai ter pesadelos com Gustavo Mosquito, que ganhou praticamente todas as jogadas pela direita do ataque corintiano.

As alternativas foram as entradas de Willian e Breno Lopes. Depois, até Deyverson recebeu a sua chance de voltar a defender o Alviverde. Mas de nada adiantou.

Contra o CRB, ficou claro que faltou capricho na finalização, na armação das jogadas, mas o torcedor não podia dizer que faltou vontade. Hoje, contra o principal rival, faltou tudo: futebol, inspiração, vontade... Abel Ferreira precisa aproveitar o tempo livre com a eliminação da Copa do Brasil para fazer uma reflexão sobre a queda de produção do Palmeiras.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL