PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Corinthians e Palmeiras fazem jogo acima da expectativa até na arbitragem

Roni (Corinthians) e Danilo (Palmeiras) em disputa durante o clássico pelo Campeonato Paulista - Marcello Zambrana/AGIF
Roni (Corinthians) e Danilo (Palmeiras) em disputa durante o clássico pelo Campeonato Paulista Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

03/03/2021 20h57

Corinthians e Palmeiras fizeram um jogo mais animado do que era o esperado dada as notícias que antecederam o principal clássico do Estado. Não foi um show de técnica, mas o 2 a 2 deu mais emoção do que era o projetado para um jogo que foi esvaziado propositalmente por um lado e pelo acaso do outro. Até mesmo a arbitragem mereceu seu destaque.

O Alviverde se irritou com a decisão da Federação Paulista de Futebol de não mudar o dia do jogo e fez de tudo para tratar a partida como se fosse um treino. Antes mesmo de a bola rolar, a equipe não quis nem saber de falar do jogo nas suas redes sociais e nem mesmo distribuiu a escalação para os seus torcedores no Twitter. Para o jogo, Abel Ferreira encheu o time de garotos e colocou apenas os mais velhos que têm ficado na reserva ou os que voltam de lesão.

A estreia do Campeonato Paulista serviu para dar rodagem a Willian, Gabriel Menino, Lucas Lima e Gustavo Scarpa. Dos quatro, os dois primeiros tiveram atuação regular, enquanto os últimos dois alternaram altos e baixos. Lucas, inclusive, abriu o placar com um belo gol, mas, como de costume, voltou a desaparecer em campo. Danilo, que perdeu espaço para Felipe Melo, merece elogios.

Entre os garotos com menos chances, Gabriel Silva conseguiu desencantar e mostrou disposição, mas ainda precisa evoluir para ser usado com mais frequência como opção de ataque. Lucas Esteves não mostrou muita segurança e mantém a lacuna na lateral esquerda.

A chuva forte atingiu a Neo Química Arena, em Itaquera, e o Palmeiras parou de jogar. Com os 2 a 0 no placar, o time perdeu o controle do jogo, viu o do Corinthians passar a ter mais oportunidades. Completamente desfigurada por conta do surto de covid-19, Vagner Mancini também precisou escalar alguns reservas e aproveitou o momento do jogo em que a técnica não poderia prevalecer.

Mateus Vital e Varanda conseguiram empatar no fim do 1º tempo e no começo da etapa final, respectivamente, e aí o jogo parou. O Corinthians que sofreu defensivamente nos primeiros 45 minutos se mostrou mais seguro, pôde contar com o goleiro Matheus Donelli e segurou o resultado até o fim. Assim como Abel pôde fazer suas observações, ficou claro para Mancini que o elenco está longe de estar pronto para situações extremas como essa série de desfalques de hoje.

Árbitra marca a história e merece elogios

Em meio a um futebol com tantos problemas na arbitragem, a atuação de Edina Alves Batista merece muito destaque. Primeira mulher a apitar um derby na história de todo o clássico, ela foi muito bem durante os 90 minutos, controlou situações de princípio de briga e não precisou distribuir faltas e cartões para controlar os nervos. Até mesmo as intervenções do VAR também foram pontuais e não atrapalharam o andamento da partida.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL