PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

Abel acha outra forma de escalar Palmeiras, que podia ter goleado Delfín

Rony comemora gol marcado pelo Palmeiras contra o Delfín, em jogo da Copa Libertadores 2020 - Ariel Ochoa - Pool/Getty Images
Rony comemora gol marcado pelo Palmeiras contra o Delfín, em jogo da Copa Libertadores 2020 Imagem: Ariel Ochoa - Pool/Getty Images
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

25/11/2020 21h08

Abel Ferreira continua firme na sua jornada de mostrar que o Palmeiras tem elenco o suficiente para jogar de várias formas diferentes, sendo competitivo e mostrando momentos de bom futebol. Nesta quarta-feira (25), ele armou outra maneira de jogar, viu seu time dominar o Delfín e certamente volta para o Brasil sabendo que o placar podia ter sido maior.

Os 3 a 1 em cima da equipe equatoriana poderiam ter sido no mínimo cinco, com gols desperdiçados especialmente por Rony. Ainda assim, a vaga nas quartas de final da Libertadores está bem encaminhada. Mesmo perdendo boas chances, é importante destacar que o atacante fez uma boa partida.

É verdade que a equipe do Delfín é realmente muito fraca, mas quantas vezes não assistimos ao Palmeiras enfrentar times mais fracos e sofrer? E pior do que isso: quantas vezes o Alviverde jogou com força máxima e não conseguir vencer?

Hoje, o time tinha mais de 10 desfalques entre vítimas da Covid e integrantes do departamento médico e mesmo assim mostrou um futebol organizado. O técnico português achou uma nova forma de atuar, com o meio-campo formado por cinco atletas, com Gabriel Menino e Lucas Lima com liberdade de atuar mais pelas pontas e sem nenhuma referência. Apenas Rony ficava mais à frente, mas sem a presença de área que tem Luiz Adriano.

E deu certo. Com exceção dos primeiros minutos do segundo tempo, quando o time aparentemente desligou, o Alviverde dominou praticamente toda a partida. O gol de desconto ainda veio em bola parada, com gol contra de Ramires, que mostrou uma evolução discreta, mas ainda longe de justificar toda a operação de sua contratação. Ele só não fez outro gol contra porque Emerson Santos salvou uma bola em cima da linha.

Além de Rony, já citado acima, o time vê outros atletas crescerem de produção, como é o caso de Lucas Lima, Zé Rafael, Patrick de Paula, que aos poucos retoma seu melhor futebol, e até Emerson Santos, que fez partida segura ao lado de Gustavo Gómez. Outro fato elogiável é que cada vez mais a base tem seu espaço, coisa que já tinha sido iniciada pelo seu antecessor, Vanderlei Luxemburgo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.