Alicia Klein

Alicia Klein

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
OpiniãoEsporte

O que pode estar por trás do caso Vitória e Fatal Model

Deu no New York Times. Nem tanto, mas deu em toda parte a notícia da possível mudança de nome do Vitória para Fatal Model Vitória.

A empresa de acompanhantes, que já é patrocinadora, fez a seguinte proposta: R$100 milhões pelo naming right do estádio (que passaria a se chamar Fatal Model Arena Barradão) ou R$200 milhões para renomear o clube.

Independentemente da natureza do serviço prestado pela proponente, a ideia de vender o nome de uma grande instituição do futebol me pareceu absurda. Ah, mas e o Bragantino? Neste caso, a fabricante de energéticos assumiu integralmente o departamento de futebol do clube, em uma relação muito mais profunda do que de simples patrocinadora.

O que me leva a dois questionamentos.

Seria apenas uma brilhante jogada de marketing da Fatal Model, que virou manchete nos quatro cantos do país, gerando um volume de mídia espontânea que nunca poderia comprar?

Ou seria uma tática de diversionismo da diretoria para tirar o foco da assembleia geral deste sábado, que votará mais de 20 reformas bastante significativas no estatuto do Vitória? Um estatuto que, diga-se, já foi reformado em junho de 2022.

Diversos sócios garantem que o processo foi atropelado, oferecendo menos de 24 horas para avaliação de medidas que dariam imensos poderes ao comando do clube. Não apenas ao presidente atual como a qualquer gestão vindoura.

A proposta inclui a possibilidade de destituir todo o conselho sem justificativa, dispensar licitação em contratações e permitir o endividamento da instituição quase sem controle.

Vale lembrar que o presidente Fábio Mota é político profissional, ex-secretário e aliado de ACM Neto. O homem não é novato.

Continua após a publicidade

Uma outra possibilidade: nenhuma das coisas ou as duas serem verdade ao mesmo tempo. Nesta última, a Fatal Model ganha a visibilidade de um assunto gigante como a mudança de nome de um clube tradicional que jogará a Série A e a diretoria distrai a plateia enquanto a mágica acontece em outro lugar.

Uma tática tão antiga quanto eficaz.

Siga Alicia Klein no Instagram e no Twitter

Leia todas as colunas da Alicia aqui

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes