PUBLICIDADE
Topo

Alicia Klein

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Movimento e progresso: por que o futebol não combate a LGBTfobia de verdade

Corinthians tirou o verde da Bandeira LGBTQIA+ - Reprodução
Corinthians tirou o verde da Bandeira LGBTQIA+ Imagem: Reprodução
Conteúdo exclusivo para assinantes
Alicia Klein

Alicia Klein tem quase 20 anos de mercado esportivo em posições de liderança no Brasil e no exterior. Escreveu a biografia de Michael Schumacher, trabalhou na NFL, no universo olímpico e no da Copa do Mundo. Decidiu que é hora de falar sobre misoginia, racismo, trabalho infantil e tudo que o esporte aceita em nome dos resultados dentro e fora de campo.

17/05/2022 14h07

Hoje é o Dia Internacional Contra a Homofobia, a Transfobia e a Bifobia.

Alguns clubes usaram suas plataformas para abordar o assunto, inclusive lembrando que o Brasil é o país que mais mata pessoas LGBTQIA+.

Estamos na merda. No porão do fundo do poço. Nem sequer a vida é garantida, quanto mais direitos e felicidade.

Deixa de ser chata. Vai dizer que não melhorou? Antigamente, a gente nem ouvia falar disso no futebol. Claro. Há avanços. Mas tem sempre um porém. Um passo para o lado. É quase sempre um apoio cosmético, superficial.

Na semana em que precisa lidar com a acusação de injúria racial contra o lateral Rafael Ramos, o Corinthians, por exemplo, postou uma imagem pedindo respeito. E uma bandeira do arco-íris sem verde, cor do arquirrival Palmeiras. Ou seja, adulterou a bandeira do movimento por clubismo.

Não estou buscando coroar o rei do Instagram e do Twitter. Crítica de Photoshop. Sommelier de Canva. Não é isso.

Como definiu perfeitamente a colega Renata Mendonça: "Vale lembrar que não há (ou não deveria haver) competição entre clubes de futebol por 'quem faz o post mais legal' numa data como hoje. A disputa é contra a homofobia e, nessa, está todo mundo perdendo. Até porque, em termos de ações práticas, todos os clubes deixam a desejar."

Mas por que é tão difícil apoiar de verdade as causas que lutam apenas e tão somente por equidade? Por direitos iguais para todos. Por segurança para existir. Vai lá e banca. Posta a bandeira. Briga para abolir os cantos homofóbicos.

Aproveita e seja também antirracista. Ponto. Sem duvidar das vítimas. Sem minimizar ofensas.

Contrata profissionais negros, mulheres, trans. Sai das ações de marketing e desce para a vida real. Diversifica. Mesmo. Porque a diversidade enriquece a vida. E protege vidas.

Faça mais. Ouça o Denzel Washington.

"Só porque você está fazendo um monte de coisas, não quer dizer que está conquistando um monte de coisas. Nunca confunda movimento com progresso. Porque você pode correr no lugar e não chegar a lugar algum."