PUBLICIDADE
Topo

14 Anéis

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Quem são os melhores (e os piores) técnicos da NFL em decisões em campo

Kyle Shanahan, técnico do San Francisco 49ers, durante jogo contra o Kansas City Chiefs - Thearon W. Henderson/Getty Images/AFP
Kyle Shanahan, técnico do San Francisco 49ers, durante jogo contra o Kansas City Chiefs Imagem: Thearon W. Henderson/Getty Images/AFP
Conteúdo exclusivo para assinantes
Vitor Camargo

Vitor Camargo é economista formado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Desde 2011 escreve sobre esportes americanos, com passagens por Yahoo, Gazeta do Povo e o seu próprio site, o Two-Minute Warning. Foi comentarista de beisebol na Fox Sports e consultor técnico na tradução do livro Moneyball (2011). É autor do livro Era de Gigantes (2019), o primeiro sobre a história da NBA escrito no Brasil, e apresentador do podcast Na Era do Garrafão.

30/09/2021 04h00

No segundo período do Sunday Night Football entre San Francisco 49ers e Green Bay Packers, faltando cinco minutos para acabar o primeiro tempo e perdendo por 10 a 0, os 49ers tinham uma 4th and 1 no meio do campo para tentar manter a campanha viva. Com o time perdendo por 10 pontos, mais o perigo de devolver a bola com tanto tempo no relógio para um dos melhores quarterbacks da NFL em Aaron Rodgers, a decisão óbvia era que os 49ers deveriam tentar a conversão.

Ao invés disso, o técnico Kyle Shanahan enviou seu time de especialistas para campo, e chutou o punt para devolver a bola aos Packers. Rodgers imediatamente marchou o time campo acima para anotar o touchdown e abrir uma vantagem de 17 pontos —Green Bay acabaria vencendo a partida por 30 a 28.

Foi uma decisão terrível de Shanahan, algo que o próprio técnico admitiu depois e disse se arrepender. Matematicamente, essa simples decisão custou aos 49ers dois pontos percentuais em probabilidade de vencer a partida —caiu de 32% para 30%—, e tudo isso em uma única jogada, uma decisão de meio segundo. É incrível o quanto essas pequenas decisões afetam o grande esquema das coisas. Acumule isso ao longo de partidas com dezenas de jogadas e 16 (agora 17) semanas de temporada, e as más decisões dos técnicos em jogadas que parecem pequenas podem ter um efeito gigantesco em uma equipe em um ano inteiro.

Mesmo tendo se arrependido, esse é o problema de Shanahan: ele tomou a decisão em primeiro lugar, e não foi a primeira vez. Quem acompanha os 49ers de perto sabe que Shanahan é um técnico insanamente conservador em chamadas de quartas descidas, e que isso custa caro ao time. Domingo, contribuiu para impedir a vitória dos 49ers. Mas, e ao longo de uma temporada, qual o efeito total dessas decisões? Shanahan é tão ruim nessas horas como parece? E quem são os melhores E piores técnicos da liga no quesito?

Foi com base nessas perguntas que eu decidi mergulhar nos números e achar algumas respostas concretas a respeito, e tentar avaliar quem são os melhores e piores técnicos tomando decisões dentro de campo na NFL.

Agora, tenha em mente algo importante antes de começarmos: as decisões tomadas em campo são apenas uma parte do que faz um técnico bom ou ruim. Muito do trabalho de um técnico é mais "escondido" e subjetivo do que isso: os planos de jogo, ajustes táticos, controle de ambiente e personalidades, treinos, gestão de elenco, entre várias outras coisas. E todos esses fatores não só estão frequentemente fora da vista do público como são impossíveis de se medir objetivamente. Portanto, discussões sobre o que faz de um técnico bom ou ruim continuam (e continuarão) sendo totalmente subjetivas.

Mas esse aspecto específico da tomada de decisões é não só objetivo, como um possível de ser quantificado: nós sabemos o percentual de sucesso de certas jogadas e situações, sabemos como as questões de tempo, placar e localização no campo afetam as chances de uma equipe pontuar (e consequentemente ganhar ou perder o jogo). Quando juntamos tudo isso, conseguimos chegar em uma aproximação de quais são as decisões ótimas em cada caso. Comparando então essa decisão ótima com a efetivamente tomada pelos técnicos, nós podemos calcular quanto as decisões dos técnicos ajudaram ou atrapalharam seu time a vencer jogos.

E, como o foco desse estudo são decisões em quartas descidas, vale um parênteses a respeito do assunto.

Já faz algum tempo que o tema ganhou um papel central nas discussões analíticas da NFL, quando se concluiu que o medo de errar e perder a bola levava a decisões extremamente conservadores por parte dos técnicos nesses momentos —e, portanto, oferecia oportunidades para times inteligentes adquirirem uma vantagem sobre os demais. Entre isso e a evolução dos ataques na NFL (e de regras favorecendo esses ataques), a liga tem cada vez mais aumentado sua agressividade em quartas descidas de modo geral nos últimos cinco ou seis anos —como mostra o gráfico abaixo, feito pelo ótimo Ben Baldwin, do The Athletic, e uma grande ajuda nesse estudo.

NFL 2020 - Ben Baldwin, The Athletic / https://www.nfl4th.com/articles/articles/4th-down-research.html - Ben Baldwin, The Athletic / https://www.nfl4th.com/articles/articles/4th-down-research.html
Imagem: Ben Baldwin, The Athletic / https://www.nfl4th.com/articles/articles/4th-down-research.html

Ainda assim, apesar da enorme evolução da NFL nesse quesito, as decisões dos técnicos na média ainda estão longe do ponto ótimo —o que talvez seja natural, dado que a aversão a risco é uma característica natural da raça humana. Essa lacuna ainda existente oferece uma margem razoavelmente grande para técnicos influenciarem o jogo, e é exatamente isso que eu quero medir. Então usando os dados de 2020 oferecidos gentilmente pelo próprio Baldwin, eu calculei quais foram os técnicos e times que mais se beneficiaram (em relação à média) das decisões em quartas descidas —e quais foram os mais prejudicados. E, para a falta absoluta de surpresa da minha parte, quem aparece entre os técnicos mais prejudiciais da NFL?

NFL 2020 - Formulação própria - Formulação própria
Técnicos mais prejudiciais da NFL em 2020
Imagem: Formulação própria

Isso mesmo, o próprio técnico que inspirou essa coluna, Kyle Shanahan. No total, as decisões conservadoras de Shanahan em quartas descidas custaram aos 49ers 57 pontos percentuais em probabilidade de vitória em relação à decisão "ótima". Em outras palavras, mais do que meia vitória em uma temporada de 16 jogos, um número insanamente alto. Shanahan também lidera toda a NFL no quesito em 2021, embora seja uma amostra muito menor, de apenas três jogos. E os dados, no caso, comprovam que a minha percepção original estava correta: Shanahan é um técnico extremamente conservador e ruim tomando essas decisões em campo, e seu time sofre como consequência.

(WP, no caso, significa win percentage, ou percentual de vitória —basicamente, quanto a decisão do técnico alterou negativamente a chance de vitória da equipe)

Revertendo o pensamento, então, quem a percepção nos diz que deveriam ser os técnicos mais agressivos e produtivos da NFL em terceiras descidas? Dois nomes em especial vem à mente: John Harbaugh, do Baltimore Ravens, que possui o melhor ataque terrestre da história da NFL e portanto pode se dar ao luxo de ser mais agressivo; e Kevin Stefanski, do Cleveland Browns, o time que mais usa estatísticas na atualidade e portanto deveria incorporar em campo essas análises. E adivinhe?

NFL 2020 - Formulação própria - Formulação própria
Imagem: Formulação própria

Tirando técnicos interinos que assumiram na reta final da temporada, Stefanski e Harbaugh foram exatamente os dois técnicos que menos custaram aos seus times com decisões equivocadas, mais uma vez batendo com a percepção. Sabendo portanto como o técnico médio se comporta na NFL e considerando as oportunidades que cada equipe enfrentou ao longo do ano, podemos fazer uma projeção de quanto um time se beneficiou ou prejudicou em relação à média da liga:

NFL 2020 - Formulação própria - Formulação própria
Imagem: Formulação própria

É surreal o quanto os Saints estão em um nível único em atirar no próprio pé com decisões conservadoras, e isso com um QB de Hall da Fama (ainda que no fim de carreira) de titular na grande maioria dos jogos —e pagando uma nota para Taysom Hill ser o "coringa" para conseguir conversões curtas. Os 49ers estão logo atrás, ainda piores do que olhando apenas o total de WP perdido (obrigado, Shanahan), seguido por outros times famosos pelo conservadorismo como Steelers, Seahawks e Broncos. Do outro lado, Browns e Ravens aparecem entre os melhores, junto de duas surpresas em Bengals e Washington.

É importante frisar também que essa lista não é uma lista de melhores e piores técnicos da NFL. Tem alguns técnicos péssimos (notavelmente Adam Gase) perto do topo, e técnicos considerados dos melhores da liga (Mike Tomlin, Sean Payton) no fundo —o que eles precisam ser, se você for pensar, se vão compensar as péssimas decisões de campo. De novo, esse é só um aspecto do que faz um bom técnico, o mais perto de nós para medirmos e estudarmos.

Então essa foi minha resposta para os questionamentos, e em geral os dados seguiram a percepção, embora com mais detalhamento, profundidade e uma chance de ver exatamente o tamanho do que times ainda estão deixando em cima da mesa por pura besteira; mesmo os melhores times ainda têm uma lacuna razoavelmente grande a ser preenchida. Esse tipo de informação também pode nos ajudar a entender melhor os papel dos técnicos na NFL —de novo, não por completo, mas em uma frente relevante.

E, a título de curiosidade, eu queria terminar a coluna olhando quais foram as PIORES decisões de 2020 em termos de quartas descidas. E o nosso campeão —por uma gigantesca margem— foi Kliff Kingsbury, dos Cardinals. Na Semana 9, os Cardinals perdiam para os Dolphins por 3 pontos, faltando 2 minutos no jogo, e tinham uma 4th and 1 na linha de 31 do campo de ataque. E, apesar de ter Kyler Murray (que correu para 106 jardas no jogo, aliás), Kingsbury preferiu chutar um difícil FG de 49 jardas para empatar o jogo. A parte lógica da decisão já é atroz o suficiente —na melhor das hipóteses, você vai empatar o jogo e devolver a bola para o adversário com 2 minutos no relógio só precisando chutar um FG para vencer— e a matemática concorda: optando por chutar, Kingsbury diminuiu as chances de vitória dos Cardinals em mais de TREZE PONTOS PERCENTUAIS; 13,4, para ser mais exato. Zane Gonzalez errou o field goal, os Cardinals nunca receberam a bola de volta, e Arizona perdeu o jogo.

Essa decisão foi tão ruim que a segunda colocada da lista - Kyle Shanahan (!) chutando um punt que diminuiu as chances do seu time em 8,6% —está mais perto da 62ª pior decisão de 2020 do que da primeira em termos do custo disso em WP para sua equipe. Realmente incrível, Kingsbury.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL