PUBLICIDADE
Topo

Pré-candidato tucano no PR elogia Tebet e chama Moro de desastre político

Henrique Sales Barros e Matheus Mattos

Colaboração para o UOL, em São Paulo

30/05/2022 10h23Atualizada em 30/05/2022 13h26

O pré-candidato ao governo do Paraná pelo PSDB, Cesar Silvestri, elogiou Simone Tebet (MDB), possível nome indicado para a chamada terceira via com a desistência do ex-governador João Doria (PSDB), e chamou a atuação política do ex-juiz Sergio Moro (União Brasil) como "desastrosa".

"[Tebet] é um nome bom para o processo. É uma mulher experiente, já passou pelo Executivo com grande competência, tem feito um bom mandato como senadora, representa as mulheres de uma forma muito digna", afirmou.

Em relação a se o PSDB do Paraná fará palanque para Tebet, Silvestri disse: "Vai depender muito dos gestos do próprio MDB no Paraná".

"O MDB do Paraná, antes mesmo de se preocupar com a eleição nacional, aceitou cargos do atual governador [Ratinho Júnior, do PSD] e foi parte do aparelhamento feito por ele", disse.

"Hoje, [o MDB no Paraná] está dando seu tempo de televisão para fazer o discurso do [presidente Jair] Bolsonaro [PL]. Então, essa posição do PSDB [de dar palanque para Tebet no estado] vai depender muito da maneira como o MDB vai priorizar a sua candidatura."

Pela primeira vez em três décadas, o PSDB pode ficar sem um candidato para o Palácio do Planalto. Ele lamentou a desistência do Doria e disse que o tucano foi vítima de uma "divisão interna muito profunda" no partido.

"Ele [Doria] se mostrou um homem trabalhador, eficiente, basta ver o quanto ele contribuiu ao combate à pandemia, quando ele conseguiu antecipar a produção de vacinas no Brasil", e acrescentou: "As prévias acabaram gerando um efeito negativo, ele dividiu o partido".

Ele considerou um eventual governo Lula (PT) mais danoso de que um novo mandato de Bolsonaro. "Sempre combati o PT. No palanque do Lula eu jamais estarei", disse Silvestri Filho. "Acredito que teremos surpresas ainda", afirmou sobre apoios ao segundo turno e se mantendo como defensor do nome a ser proposto pela terceira via.

Moro na política foi desastre

Ao analisar as atitudes de Moro, Silvestri disse ter uma visão positiva do papel dele como juiz, mas "desastrosa" como político: "Foi pior ainda quando ele juntou as duas coisas na posição de juiz".

"A Lava Jato acabou se politizando demasiadamente e passou a ter uma postura de ativismo judicial e político, querendo imaginar que eles promoveriam uma limpa política, sobrepondo o papel do eleitor, da própria democracia."

"Moro cometeu um erro ao fazer essa ruptura [com o Podemos, onde estava filiado] de forma açodada, sem construir as condições de assegurar uma candidatura nacional", citando a transferência para o União Brasil.

Mas afirmou que houve um "boicote" por parte do Podemos, quando "a própria direção do partido deixou de acreditar na eleição dele".

Apoiou as manifestações dos servidores públicos e disse que o atual governador, Ratinho Jr. (PSD), errou ao considerar que eles são "adversários políticos".

"O governador Ratinho propôs uma reposição de 3% de inflação ao salário dos servidores públicos do estado, frente a uma defasagem de 30%. Hoje, ele enfrenta uma situação de falta de governabilidade e não vejo como preservar isso por mais quatro anos."

A entrevista aconteceu ao vivo, com uma hora de duração e com transmissão pela internet nos sites e perfis nas redes sociais do UOL e da Folha. Os entrevistadores foram Kennedy Alencar e Alberto Bombig, colunistas do UOL, e Ana Luiza Albuquerque, repórter da Folha.

Calendário das sabatinas no Paraná

  • 02/06 - 10h - Ratinho Jr. (PSD)
  • 03/06 - 10h - Roberto Requião (PT)

Nas próximas semanas, também serão feitas sabatinas com candidatos ao governo de Pernambuco, Ceará e Rio Grande do Sul.