PUBLICIDADE
Topo

Simone Tebet diz que 'centro democrático não pontua porque não tem nome'

Paulo Roberto Netto

Colaboração para o UOL, de Brasília

10/04/2022 17h48

A senadora Simone Tebet (MDB) disse neste domingo (10) que a chamada "terceira via" não pontua nas pesquisas eleitorais por ainda não ter um nome definido. A parlamentar garantiu que os partidos definirão um nome único para a pré-candidatura à presidência até maio.

"O centro democrático não pontua porque não tem nome, não tem rosto. Mas teremos", declarouTebet.

"Nós começamos com sete pré-candidatos no final do ano. Viramos o ano com cinco. Foram quatro, três. Hoje temos absoluta certeza que o centro democrático estará escolhendo um único candidato para a Presidência da República", afirmou.

A senadora foi sabatinada no Brazil Conference 2022, realizado em Boston (EUA). Segundo Tebet, o presidente Jair Bolsonaro (PL) só está em segundo lugar nas pesquisas porque o "centro democrático" ainda não definiu um nome.

A emedebista é um dos nomes que buscam representar a chamada "terceira via", junto do ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB).

Ontem, o ex-ministro Sérgio Moro disse que colocou seu nome à disposição para o União Brasil escolhê-lo como presidenciável, mas que a definição ficará com a liderança do partido.

Embora a legenda tenha dito que o ex-ministro participará de um projeto no "Estado de São Paulo", sinalizando uma candidatura ao Congresso, Moro nega que pretenda disputa a Câmara dos Deputados e ainda a mira a presidência.

"A gente tem que partir do pressuposto de que acima das ambições pessoais há uma necessidade da união do centro. Meu nome está à disposição, mas quem decide essa questão é o partido, especialmente o presidente Luciano Bivar, que tem sido o principal agente de formação desse centro democrático", disse Moro.

Questionada sobre as divergências internas para a escolha do nome da "terceira via", Tebet declarou que Moro não será, por enquanto, o pré-candidato do União Brasil.

"Me desculpe o ministro Sérgio Moro, mas ele não é, por enquanto, o candidato do União Brasil. O União Brasil vai ter um pré-candidato, que é Luciano Bivar, que agora no dia 14 está sendo anunciado", disse Tebet.

Lewandowski: STF evitou agravo da pandemia

Após a sabatina de Tebet, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, participou de um painel sobre inovação judicial em tempos de crise. Durante sua fala, o magistrado afirmou que o tribunal evitou que a pandemia ganhasse "proporções maiores".

"O Supremo Tribunal Federal, em um momento de paralisia, de inércia, das autoridades públicas, teve um importante papel de apontar caminhos a serem seguidos pelos governos estaduais e municipais, evitando que a crise sanitária ganhasse proporções maiores", disse o ministro.

Lewandowski citou os julgamentos do STF que envolveram a adoção de um Plano Nacional de Imunização, a criação de barreiras sanitárias para proteger populações indígenas e a proibição de operações policiais nas favelas durante a pandemia.

"A Suprema Corte, assumindo plenamente seu papel de guardião último dos direitos e garantias fundamentais, reafirmou os valores do federalismo como instrumento de preservação da democracia", disse.