PUBLICIDADE
Topo

Boulos desiste de disputar o governo de SP e será candidato a deputado

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

21/03/2022 09h33Atualizada em 21/03/2022 16h39

O coordenador do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) Guilherme Boulos desistiu de ser o candidato do PSOL ao governo de São Paulo. Hoje, ele anunciou que irá disputar uma cadeira como deputado federal na eleição de 2 de outubro.

"O momento do Brasil exige gestos políticos e generosidade. Tomo esta decisão buscando fortalecer a unidade da esquerda no Brasil e em São Paulo", afirmou Boulos, em nota.

O UOL apurou que a decisão já havia sido tomada no final de janeiro pelas lideranças do PSOL, mas o partido e Boulos quiseram segurar o anúncio. Agora, o PSOL deverá apoiar o ex-prefeito paulistano Fernando Haddad (PT) na disputa pelo Palácio dos Bandeirantes.

  • Veja essa notícia, entrevista com Guilherme Boulos e mais no UOL News com Fabíola Cidral:

Na pesquisa pesquisa Qaest, divulgada no último dia 17 de março, Boulos aparecia com 7% das intenções de voto, tecnicamente empatado com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas (sem partido), que aparecia com 9%. Ambos estavam atrás do ex-governador Márcio França (PSB), que teve 18%, e Haddad, com 24%.

A expectativa entre membros do PT é que Haddad seja o herdeiro dos votos que seriam de Boulos na disputa.

No PSOL, porém, há uma corrente que defende que o partido tenha candidatura própria, que seria da vereadora Mariana Conti, de Campinas. Após o anúncio de Boulos, ela apresentou seu nome para a disputa.

"O PSOL precisa ter cara própria e se apresentar à população como uma alternativa independente. Queremos debater as nossas propostas e projeto para o estado. Apoiava o nome do Guilherme, mas com a sua decisão pela retirada, coloco o meu nome à disposição do partido para cumprir essa tarefa", disse Conti.

Presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros disse que a questão sobre uma outra eventual candidatura do partido ao governo paulista será "decidida no momento certo". "Eu defendo a unidade em torno do Haddad."

Disputa na Câmara

O PSOL também espera que Boulos seja um dos candidatos mais votados na corrida pro uma vaga na Câmara dos Deputados.

"Quero ainda ajudar o PSOL não apenas a superar a cláusula de barreira, mas a ampliar sua bancada no Congresso. O PSOL é um partido fundamental para o Brasil, com pautas que precisam ter mais visibilidade e voz no Congresso", escreveu Boulos em sua página no Twitter.

Na conversa com os petistas, o PSOL receberia o apoio do PT na eleição para a Prefeitura de São Paulo em 2024 —Boulos disputou o segundo turno em 2020.

Fontes do UOL dizem que os petistas já decidiram que não terão candidato daqui a dois anos para o comando da capital paulista e apoiariam Boulos, algo que é visto ainda com certo ceticismo em razão do período até lá. Oficialmente, o PSOL e o PT ainda não se manifestaram após o anúncio de Boulos.

O ex-pré-candidato ao governo paulista salientou que tem como objetivo apoiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na disputa pelo Planalto. "Eleger Lula presidente é fundamental. Mas precisaremos também eleger um Congresso que represente os interesses da maioria do povo brasileiro".