PUBLICIDADE
Topo
Empresas que mudam

Empresas que mudam

Adeus ao plástico filme? Empresa faz pano de cera para embalar comida

Panos de cera da Envolve Bioembalagens usados para tampar tigelas  - Divulgação
Panos de cera da Envolve Bioembalagens usados para tampar tigelas Imagem: Divulgação

Juliana Domingos de Lima

De Ecoa, em São Paulo

17/02/2022 06h00

Cada vez mais, pessoas e governos têm buscado estratégias para diminuir o consumo de plástico, cujo descarte polui o ambiente e provoca a morte de animais marinhos. Mas, em algumas situações, evitar o plástico parece quase impossível. Pensando nos alimentos, como embalar e guardar sem a praticidade do filme de PVC?

Os panos de cera são uma opção reutilizável e biodegradável para substituir o plástico nessas situações. O utensílio, que consiste em um pedaço de tecido 100% algodão impermeabilizado com uma camada de cera de abelha, óleo de coco e breu (uma resina vegetal), pode ser feito em casa e é também produzido por diversas marcas no exterior e no Brasil.

Por aqui, uma dessas marcas é a Envolve BioEmbalagens, criada em 2018 pela publicitária e professora de Economia Circular e Negócios de Impacto no MBI da PUC de Florianópolis Luciana Caran, que foi a primeira a fabricar o produto em escala industrial no Brasil. A fábrica localizada no Campo Limpo, na zona sul de São Paulo, tem capacidade de produzir 1.500 unidades por dia em diferentes tamanhos com uma máquina desenvolvida especialmente para o produto.

Lavável e reutilizável por 150 usos - cerca de um ano -, o pano é biodegradável e pode ser destinado à compostagem ao final da vida útil. A estimativa da Envolve é que cada unidade é responsável por uma economia de 30 metros de plástico filme ao longo desse tempo.

A empresa também trabalha com logística reversa: depois de pelo menos seis meses de uso, é possível enviar o produto de volta e obter um desconto na próxima compra.

Menos plástico na cozinha

A paulistana Luciana Caran atuava e dava aulas na área de marketing digital, mas queria uma mudança na carreira: estava insatisfeita com a mentalidade do meio e decidiu empreender.

Luciana Caran - Divulgação  - Divulgação
A empreendedora Luciana Caran, fundadora da Envolve Bioembalagens
Imagem: Divulgação

A ideia do consumo consciente e a preocupação com questões de sustentabilidade eram seu principal norte. Ela se aproximou então da Abraps (Associação Brasileira dos profissionais pelo Desenvolvimento Sustentável) e de negócios que trabalhavam com o conceito de resíduo zero. Inicialmente, desejava abrir uma usina de compostagem, mas encontrou obstáculos na legislação.

Nesse meio tempo, ganhou um pano de cera de uma amiga que acabava de voltar dos Estados Unidos. "Fiquei enlouquecida", diz. Por meio de tutoriais na internet, aprendeu a fazê-los artesanalmente e começou a vender em feiras especializadas em produtos sustentáveis, onde ele teve uma boa aceitação. Na época, o produto era mais raro de se encontrar.

"Eu nem imaginava [que fosse virar um negócio]. Na verdade, era uma experiência para fazer uma graninha para o final de ano, porque eu passei um ano sem receita por conta da história da compostagem", conta.

Com um mês de existência, a marca ganhou o primeiro lugar em um edital do Ministério do Meio Ambiente voltado ao combate ao desperdício de alimentos. Foi uma confirmação de que o negócio poderia vingar.

Ao longo de 2019, a Envolve seguiu vendendo seus produtos principalmente em feiras de sustentabilidade. A chegada da pandemia de covid-19 em 2020 interrompeu esses eventos, o que levou a marca a tentar atingir um público mais amplo pelo e-commerce e varejo.

Panos de cera - Divulgação - Divulgação
Panos de cera da Envolve Bioembalagens usados para embalar alimentos
Imagem: Divulgação

Hoje, os paninhos da Envolve estão disponíveis na Amazon e em lojas de diferentes cidades brasileiras - recentemente, um lote grande foi para um varejista de Manaus. Eles ainda são encontrados principalmente em empórios voltados a uma clientela de maior renda, mas, segundo a dona do negócio, a ideia é tornar o produto cada vez mais acessível.

"Infelizmente não se popularizou ainda, mas é assim que começa", diz Luciana.

A marca também tem dialogado com grandes empresas que consideram adotar os panos de cera em suas cozinhas. "Se der certo, vamos voltar nossa atenção para o mercado corporativo porque faz mais diferença, as cozinhas industriais gastam muito mais plástico", diz Caran.

Na cozinha da chef Luiza Zaidan, cliente assídua dos panos da Envolve, o produto já faz a diferença. A Ecoa, ela ressaltou que o pano conserva os alimentos tão bem quanto o filme de PVC e que, mesmo custando mais, acaba se pagando "É um produto ecologicamente saudável e tem a praticidade de poder reutilizar. Isso gera economia de dinheiro também", diz.

Próximos passos da Envolve

Em 2022, os panos da Envolve devem passar a contribuir para complementar a renda de mulheres em situação de vulnerabilidade. A empresa vem estruturando um projeto para viabilizar a venda direta do produto por mulheres, com comissão próxima de 50%.

Recentemente, a startup também aderiu ao Pacto Global da ONU, iniciativa que apoia empresas a adotarem uma série de princípios alinhados com melhorias na sociedade e no futuro do planeta. Com isso, terão que mensurar o impacto de suas atividades e prestar contas às Nações Unidas.

Empresas que mudam