PUBLICIDADE
Topo
Iniciativas que inspiram

Iniciativas que inspiram

Maior horta comunitária da AL alimenta centenas, mas teme falta de recursos

Maior horta urbana da américa latina teme por falta de recursos. - Ezequiel Dias
Maior horta urbana da américa latina teme por falta de recursos. Imagem: Ezequiel Dias

Bruno Sousa

Colaboração para Ecoa, do Rio de Janeiro (RJ)

21/06/2021 06h00Atualizada em 21/06/2021 12h58

Com o tamanho equivalente a mais de quatro campos de futebol, a horta comunitária de Manguinhos se tornou famosa como a maior horta comunitária da América Latina. Mas ela é responsável por muito mais: desde a revitalização da comunidade e da retirada de pessoas da criminalidade até o reconhecimento da ONU.

O projeto Hortas Cariocas começou há 15 anos, durante a gestão do ex-prefeito César Maia (DEM). A horta de Manguinhos chegou pouco depois, há 8 anos. Foi implementada na favela após a ocupação da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) no local. Desde então, o projeto revitalizou o espaço que antes funcionava como um lixão e ponto para usuários de crack.

"Antes os moradores abriam as portas e davam de cara com um lixão e com uma 'cracolândia', hoje eles abrem as portas felizes e dão de cara com o verde da horta.", afirma Ezequiel Dias, 44, que é um dos responsáveis pelo projeto e mora desde sempre na comunidade.

Ezequiel, que atua como agente integrador no projeto, está nele desde o início e ressalta a importância da sua manutenção: "A horta de Manguinhos transformou a cara dessa comunidade e a vida dos trabalhadores daqui. Ainda mais agora com a pandemia, a gente até deixou de fazer as vendas e passou a fazer só distribuição."

Durante a pandemia, os projetos que são parte do Hortas Cariocas distribuíram toda a sua produção para a população local. Ao todo foram mais de 82 toneladas de alimentos orgânicos doados. Somente a horta de Manguinhos produz duas toneladas de alimentos por mês.

Agonia da horta

1 - Ezequiel Dias - Ezequiel Dias
Maior horta urbana da américa latina teme por falta de recursos.
Imagem: Ezequiel Dias

O projeto emprega 23 pessoas que recebem uma bolsa de R$ 500 para sobreviver, mas que, com a atual gestão da prefeitura, relatam viver a incerteza da continuação. O programa recebia R$ 1.460.987,49 anuais para a distribuição entre as 49 unidades, 24 em comunidades e 25 em escolas municipais, mas teve o repasse atrasado pela gestão do prefeito Eduardo Paes (PSD), segundo fontes ouvidas por Ecoa. A prefeitura do Rio nega e diz que "O orçamento para as hortas subiu de R$ 1.460.987,49 (2020) para R$ 2.233.970,00 (em 2021), um aumento de 52,9%". Os trabalhadores da horta de Manguinhos, no entanto, contaram que ficaram sem receber seus salários nos primeiros dois meses de 2021.

A horta de Manguinhos ajudou durante a pandemia mais de 800 famílias a sobreviverem. O projeto Hortas Cariocas foi incluído na lista de ações consideradas essenciais para alcançar os seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável pela Organização das Nações Unidas (ONU). "Eu quero pedir às autoridades e governantes para que olhem mais esse projeto, ele não pode acabar. Ele tem que ser expandido, não encerrado", diz Ezequiel.

Outro lado

A reportagem de Ecoa tinha entrado em contato com a prefeitura do Rio na sexta-feira (18). Em nota enviada hoje (21) a Ecoa, a prefeitura alega:

"O Hortas Cariocas garante emprego verde e segurança alimentar para os que mais precisam. Nosso compromisso com a inclusão socioambiental continua - e avança. O programa abrange 49 comunidades e escolas públicas, somando 24 hectares de áreas de cultivo. São atualmente 216 bolsistas do programa. As bolsas dos hortelãos e hortelãs passaram de R$ 450 para R$ 500, em 2021. Os encarregados pelas hortas recebem R$ 650. O orçamento para as hortas subiu de R$ 1.460.987,49 (2020) para R$ 2.233.970,00 (em 2021), um aumento de 52,9%. Projeto vem sendo alavancado. Os repasses nos primeiros cinco meses do ano superaram os do mesmo período do ano passado. As hortas produzem 80 toneladas por ano, e nossa meta é dobrar a produção em 2030."

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do que foi informado na primeira versão desta reportagem, o programa Hortas Cariocas atende 49 comunidades, e não 42 como havíamos escrito. O seu repasse anual, em 2020, foi de R$ 1.460.987,49 e não de R$ 1.140.000. como informamos. A prefeitura do Rio nega que o programa corra risco de acabar.

Iniciativas que inspiram