Siga nas redes
Opinião

Como hortas comunitárias estão mudando alimentação na periferia de SP

A ONG Cidades sem Fome desenvolve projetos de agricultura em mais de 80 hortas urbanas e escolares, a maioria delas na Zona Leste de São Paulo; terrenos que antes eram criadouros de mosquitos da dengue e chikungunya agora contribuem com renda, saúde e segurança alimentar.

A horta principal do projeto fica embaixo de um linhão da concessionária de energia Enel num terreno de quase um hectare e chega a produzir 6 toneladas de 33 tipos diferentes de hortaliças e tubérculos num mês.

Um terço do território da cidade de São Paulo é rural. Mais de 700 unidades agrícolas comerciais cadastradas na plataforma Sampa+Rural, da Prefeitura de São Paulo, contribuem com a segurança alimentar e o combate às mudanças climáticas.

Isso aqui é muito gostoso mesmo! Eu me sinto tão bem! Eu não tenho estresse nem tristeza. Estou na horta aqui ó, é só alegria, Waldir, enquanto planta uma longa fileira de alfaces na Escola Estadual Professora Maria de Lourdes Rosário Negreiros, em São Mateus, Zona Leste de São Paulo.

Waldir Francisco de Almeida trabalhou por longo tempo na indústria alimentícia, mas não via a terra e nem o sol. Por 17 anos foi responsável por uma linha de produção de salgadinhos ultraprocessados, trabalhando no período noturno dentro de uma fábrica. "Para mim era como se estivesse numa prisão, num lugar escuro, e não tinha como saber as maravilhas que existiam fora."

Em 2013, a vida de Waldir mudou da noite para o dia quando ele passou a plantar nas hortas da ONG Cidades sem Fome.

"Depois que eu comecei a trabalhar com a terra, eu percebi que a minha saúde se fortaleceu mais. Eu saio de casa para vir trabalhar na horta com o coração cheio para chegar logo."

A ONG Cidades sem Fome desenvolve projetos de agricultura em mais de 80 hortas urbanas e escolares, a maioria delas na Zona Leste de São Paulo. A horta central do projeto viceja desde 2018 embaixo de um linhão da concessionária de energia Enel num terreno de quase um hectare no mesmo bairro de São Mateus.

Horta da ONG Cidades sem Fome instalada em linhão da concessionária Enel, no bairro de São Mateus, Zona Leste de São Paulo.
Horta da ONG Cidades sem Fome instalada em linhão da concessionária Enel, no bairro de São Mateus, Zona Leste de São Paulo. Imagem: Fellipe Abreu/Mongabay
Continua após a publicidade

A proposta da Cidades sem Fome é usar os espaços que não estão sendo utilizados dentro de uma grande metrópole como São Paulo e transformá-los em polos de produção de alimentos como este aqui Hans Dieter Temp, idealizador do projeto.

"A gente tem centenas ou milhares de espaços inutilizados ou subutilizados, e são espaços que representam um passivo, tanto para a comunidade que mora na região, para a municipalidade, e até para os donos dos terenos. É problema para todo mundo", explica Hans.

"Quando a gente chegou, isso aqui era um criatório de mosquito da dengue e a gente tinha um surto de chikungunya na região porque são áreas fechadas, muradas. Cresce capim e o pessoal vai jogando copinhos, garrafas, um monte de coisas, e isso tudo enche de água".

Fátima Nascimento dos Santos, moradora vizinha do terreno, participou do projeto desde o início. "O terreno era muito abandonado, tinha lixo, entulho, cavalos abandonados, assaltos, era terra de ninguém", conta.

Após firmar um contrato com a concessionária de energia, o terreno do linhão foi limpo e o solo passou por uma série de tratamentos com compostos orgânicos para recuperar sua fertilidade. "Hoje nós temos mais ou menos 33 tipos de culturas, desde todo tipo de salada a temperos, tubérculos, couve-flor, brócolis. Nos meses bons, de abril até dezembro, a gente consegue colher aqui de 5 a 6 toneladas por mês de hortaliças", diz Hans.

Ele conta que teve a ideia das hortas durante os anos em que morou na Alemanha para fazer uma pós-graduação. "Quando você mora lá, você percebe que a sociedade civil faz a diferença. Eu aprendi muito com isso. Em muita coisa é o coletivo organizado que faz as melhorias, que traz o bem-estar para a coletividade".

Continua após a publicidade

Cidade que nutre

As hortas da ONG Cidades sem Fome estão entre as 700 unidades agrícolas comerciais cadastradas na plataforma Sampa+Rural, da Prefeitura de São Paulo, que reúne iniciativas de agricultura e alimentação saudável.

Segundo a plataforma, cerca de um terço do território da cidade de São Paulo é rural. Pequenas unidades de agricultura familiar produzem hortaliças, frutas e legumes, e parte deles são orgânicos e agroecológicos. Toda essa produção inibe o avanço da urbanização e contribui com a segurança alimentar, saúde e renda, além de revitalizar áreas urbanas e combater ilhas de calor.

Hans Dieter Temp, criador da ONG Cidades sem Fome.
Hans Dieter Temp, criador da ONG Cidades sem Fome. Imagem: Fellipe Abreu/Mongabay

Além das unidades agrícolas comerciais, há o cultivo de hortas comunitárias em espaços públicos ou privados. Segundo um estudo, para além de colaborar com a segurança alimentar, as hortas nutrem o desenvolvimento comunitário dos participantes, gerando mudanças positivas na gestão territorial.

A Zona Sul da cidade, que concentra parte significativa da produção agrícola, conta ainda com a agricultura Guarani em duas Terras Indígenas, trabalhando o resgate de sementes tradicionais e a soberania alimentar.

Continua após a publicidade

"A abordagem que a gente tem no programa Sampa+Rural é de uma agricultura sustentável com assistência técnica agroecológica e de uma visão multidimensional da agricultura. Do papel da agricultura para o meio ambiente como produtora de água para a mitigação e adaptação às mudanças climáticas, um papel de soberania e de segurança alimentar e nutricional", diz Lia Palm, Coordenadora de Agricultura e de Segurança Alimentar do Município de São Paulo.

"Mais de mil lugares de agricultura estão nas periferias da cidade, na quebrada mesmo. Então ali é um lugar de produção de conhecimento alimentar, de cultura tradicional, de encontro das pessoas."

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) considera a agricultura urbana e periurbana como estratégia de segurança alimentar e de combate às mudanças climáticas.

Canteiro na horta da ONG Cidades sem Fome em São Mateus, Zona Leste de São Paulo.
Canteiro na horta da ONG Cidades sem Fome em São Mateus, Zona Leste de São Paulo. Imagem: Fellipe Abreu/Mongabay

"Se não fossem esses produtores rurais de São Paulo, que nós podemos chamar de uma agricultura periurbana, na margem ou entorno da cidade, a gente teria sérios problemas de abastecimento", diz Gustavo Nagib, membro do Grupo de Estudos em Agricultura Urbana (GEAU) da Universidade de São Paulo (USP).

"Mais especificamente no município de São Paulo, um exemplo é a região de Parelheiros (Zona Sul), que é uma das mais importantes e reúne um número expressivo de pequenos produtores que estão inclusive fazendo a transição para uma agricultura agroecológica de base orgânica".

Continua após a publicidade

Análise feita pelo Instituto Escolhas sugere que seria possível alimentar os 20 milhões de habitantes da região metropolitana de São Paulo contando com a produção local de legumes e verduras e reduzindo significativamente os desperdícios gerados pela logística dos alimentos, que inclui trajetos longos.

Da horta para a merenda

A logística e o escoamento da produção é uma preocupação da Cidades sem Fome. Em frente à horta principal está o hortifrúti criado pela ONG para comercializar a produção de diversas hortas do projeto e atender a população local. Logo cedo atravessa a rua um carrinho de mão carregado de brócolis recém-colhidos e já com destino certo: uma compradora arremata a pilha da verdura que vai rechear pastéis em seu restaurante. A ONG estabeleceu contratos de comercialização com restaurantes, bares, lanchonetes, unidades do SESC e também escolas públicas nas proximidades das hortas.

Diversas escolas contam com hortas próprias, instituídas e gerenciadas pelo projeto juntamente com alunos e a comunidade escolar. "O grande foco é combater de alguma forma a insegurança alimentar, seja produzindo alimento para a merenda das crianças, seja aumentando a quantidade de coisas produzidas nos quintais das casas", diz Hans. "O contexto urbano poda muito as pessoas no contato com as coisas da natureza. A gente cria pessoas muito estéreis de tudo. A horta na escola dá oportunidade para as crianças terem um pouco de contato com as coisas da natureza, principalmente com a terra."

Na Escola Estadual Professora Maria de Lourdes Rosário Negreiros, em São Mateus, é dia de plantio de alface e colheita de couve. Grupos de crianças em idades diferentes ganham o ar livre para cuidar da horta. Cada criança planta uma muda de alface e colhe algumas folhas de couve, que irão para a casa dos alunos e também para a merenda escolar. "Eu gosto de sentir o cheiro das plantas, da couve, da alface, das comidas que tem na horta", diz Kadar Leon Ficiel, aluno do 5º ano.

Aluno da Escola Estadual Professora Maria de Lourdes Rosário Negreiros, em São Mateus, Zona Leste de São Paulo, colhendo couve na horta da escola.
Aluno da Escola Estadual Professora Maria de Lourdes Rosário Negreiros, em São Mateus, Zona Leste de São Paulo, colhendo couve na horta da escola. Imagem: Fellipe Abreu/Mongabay
Continua após a publicidade

A atividade tem a monitoria de Waldir e de Beatriz de Lima Médici, nutricionista que trabalhava na cozinha de restaurantes, mas preferiu a terra. "Eu acredito que quando você cuida de um ser vivo você consegue cuidar melhor de você, cuidar melhor do ambiente em que você vive. Então, a horta traz muitos aprendizados," diz.

Miguel Carvalho da Costa, também aluno do 5º ano, conta que passou a experimentar saladas que antes não comia. "No ano passado a gente plantou mudas e foi uma experiência bem legal, tanto que tem bastante gente que não tem uma alimentação muito saudável. Então, esse é um projeto que pode incentivar as crianças daqui a terem uma alimentação melhor."

Nas escolas, a Cidades sem Fome elabora os canteiros, trata a terra e depois visita três vezes por semana o local para fazer a manutenção e treinar gestores para que se apropriem da horta, conheçam o ponto de colheita dos alimentos e gerenciem os plantios com os alunos. A ONG permanece como apoio, trabalhando a terra e fornecendo as mudas.

"A ONG pode ir deixando legados porque dependência não faz sentido pra gente. A gente quer que as pessoas aprendam e façam a horta bonita desse jeito", diz Beatriz.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes