PUBLICIDADE
Topo

Julie Dorrico

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

1º Websérie de Literatura Indígena destaca o protagonismo das mulheres

Julie Dorrico
Imagem: Julie Dorrico
Julie Dorrico

Julie Dorrico é doutora em teoria da literatura na PUC-RS. Autora da obra "Eu sou macuxi e outras histórias" (Caos e Letras, 2019) que venceu o 1º Lugar no Concurso Tamoios de Novos Escritores Indígenas, promovido pelo Instituto UK'A e Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ, 2019). Descendente do povo macuxi (Roraima). Organizadora da Coleção Memórias Ancestrais, obras de autoria indígena, pela Editora Tekoha (2021). Este é um espaço-terreno para reflorestar simbolicamente a educação brasileira. Buscando fortalecer o uso da lei 11.645/2008 que tornou obrigatório o ensino das culturas e histórias afro e indígenas em todo currículo escolar, esta coluna busca compartilhar iniciativas, projetos e temas indígenas que possam fortalecer a educação étnico-racial no país.

01/09/2021 06h00

A websérie "Leia Autoras Indígenas" é uma iniciativa do coletivo @leiamulheresindigenas, perfil no Instagram que divulga obras e autoras, além de artistas visuais indígenas. Com o objetivo de difundir a literatura indígena de autoria feminina, o coletivo firmou parceria com o SESC Ipiranga para produzir 10 episódios que trouxessem mulheres indígenas com suas artes e ofícios para serem conhecidas pelo público indígena e não indígena.

"Leia Autoras Indígenas" é produzida por Moara Tupinambá, Paolla Vilela, Julie Dorrico, indígenas Tupinambá, Puri e Macuxi, escritoras e pesquisadoras de literatura indígena. Isabel Ramil e Vini Albernaz, não indígenas, editam e animam os vídeos.

Perspectiva conceitual do Leia Autoras Indígenas

O conceito do projeto é norteado pela intenção de mostrar que no Brasil todo há povos indígenas, e, por consequência, literatura indígena. Por isso, a identidade visual foi construída com referência do mapa do Estado-nação, ainda que essas fronteiras sejam mais fluidas aos povos nativos. Na mesma esteira, a curadoria buscou contemplar autoras e obras, bem como oradoras da cultura. Para isso, foi considerado selecionar mulheres indígenas das 5 regiões do país: norte, nordeste, sul, sudeste e centro-oeste.

Junto à seleção das autoras e obras, foi ponderado o conceito de literatura indígena do escritor Daniel Munduruku, que reconhece a literatura indígena para além do livro impresso editorial, abarcando a tradição oral e os conhecimentos imateriais e ancestrais da memória dos povos originários. Por isso, foram selecionadas duas oradoras: Vanda Domingos, que pertence ao povo Macuxi, do estado de Roraima, e Liça Pataxoop, que é professora de cultura Pataxoop, no estado de Minas Gerais. Ambas não têm livro publicado, mas têm referências que são os cânones de suas respectivas culturas.

Nesse conceito de literatura indígena há a valorização de diferentes expressões da palavra. A palavra falada, que reitera a memória ancestral, e a palavra na escrita alfabética, que valoriza o livro literário editorial. O livro como objeto é uma ferramenta que reúne uma pequena porção do conhecimento milenar dos povos originários ao trabalho criativo do autor na ficção, na autobiografia, na poesia, que usa esta ferramenta para endossar a luta dos povos indígenas na cultura e política do país.

As oito autoras com obras publicadas, ou em vias de publicação editorial, são Auritha Tabajara (Tabajara), Eliane Potiguara (Potiguara), Márcia Kambeba (Omágua/Kambeba), Aline Pachamama (Puri da Mantiqueira), Vãngri Kaingang (Kaingang), Gleycielli Nonato (Guató), Geni Núñez (Guarani) e Niara Terena (Terena).

Transmissão da Websérie

A websérie será transmitida toda quinta-feira, às 19h de Brasília, no canal do YouTube do SESC Ipiranga que você pode acessar e se inscrever aqui: youtube.com/sescipirangasp. Entre os períodos de 2 de setembro a 4 de novembro será postado toda semana um episódio protagonizando uma autora/oradora indígena, com duração de até 15 minutos, possuindo legenda e tradução em libras para maior acessibilidade. A classificação para o público é livre, mas em especial foca nas redes de ensino da educação básica e superior.

Cronograma

Acompanhe a seguir o cronograma do programa com as autoras e os temas, que você também pode acompanhar aqui: Sesc Ipiranga estreia websérie Leia Autoras Indígenas.

Encontro de Abertura: dia 31 de agosto, às 19h.

Programação

02/9 - Autobiografia indígena e gênero na literatura de cordel Tabajara, com Auritha Tabajara. Mediação de Julie Dorrico

09/9 - A palavra como terra na perspectiva Puri, com Aline Pachamama. Mediação: Paola Vilela.

16/9 - Seres da Floresta Omágua/Kambeba e o Folclore, com Márcia Kambeba. Mediação: Julie Dorrico..

23/9 - História das origens Kaingang, com Vangri Kaingang. Mediação: Julie Dorrico.

30/9 - Ficção Indígena Guató nas narrativas regionais, com Gleycielli Nonato. Mediação: Moara Tupinambá.

07/10 - Apresentação dos pajés Maruwai e Maruwá na cultura Macuxi, com Vanda Domingos. Mediação: Julie Dorrico.

14/10 - Tehêy e as narrativas de origem Pataxoop, com Liça Pataxoop. Mediação: Paola Vilela. 21/10 - Literatura de autoria feminina e potiguara, com Eliane Potiguara. Mediação: Moara Tupinambá.

28/10 - Ficção e identidade Terena, com Niara Terena. Mediação: Julie Dorrico.

04/11- O conto Guarani, com Geni Núnez. Mediação: Paola Vilela.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL