PUBLICIDADE
Topo

Por que VW Up vai 'encolher' e terá etiqueta para não sentar na linha 2021

Lançado em 2014, Up será vendido com apenas 4 lugares para se adequar à legislação de trânsito; compacto tem essa configuração na Europa - Divulgação
Lançado em 2014, Up será vendido com apenas 4 lugares para se adequar à legislação de trânsito; compacto tem essa configuração na Europa
Imagem: Divulgação

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

14/09/2020 04h00

A linha 2020 do Volkswagen Up zero-quilômetro começa a sumir das concessionárias e a montadora prepara o lançamento do modelo 2021 para as próximas semanas.

A principal novidade será a ausência de um item disponível desde o seu lançamento no Brasil, em fevereiro de 2014: o assento central do banco traseiro.

É isso mesmo: em breve, o Up terá apenas quatro lugares, da mesma forma que as versões do subcompacto comercializadas na Europa.

Essa foi a saída adotada pela VW para adaptar o hatch à nova legislação.

Conforme determina a Resolução 518/2015 do Contran (Conselho Nacional de Trânsito), desde 29 de janeiro todos os veículos fabricados no Brasil ou importados têm de trazer cintos de segurança de três pontos e apoio de cabeça em todas as posições - caso elas estejam voltadas em direção ao para-brisa.

No caso do Up, até a linha 2020, cuja produção foi encerrada em dezembro passado, o assento central vinha com cinto de dois pontos - também conhecido como subabdominal. O terceiro apoio de cabeça traseiro era exclusivo das configurações mais equipadas.

Segundo UOL Carros apurou, o local terá uma etiqueta alertando que não poderá mais ser utilizado para o transporte de passageiros - restrito às extremidades do banco de trás e aos assentos da frente.

A regra também estabelece a obrigatoriedade de todos os veículos oferecerem pelo menos uma ancoragem Isofix, algo que o Up já cumpria: desde a estreia, ele conta com o recurso em duas posições do banco traseiro e assim permanecerá.

A nova configuração já passou por todas as etapas de desenvolvimento e homologação e o plano inicial era de iniciar a fabricação da linha 2021 por volta de março - já com as adaptações necessárias.

Porém, sobreveio a pandemia do coronavírus, que forçou o fechamento das fábricas da Volks durante cerca de dois meses até a retomada, na segunda quinzena de maio.

Há cerca de um mês, ainda era possível encontrar unidades zero-quilômetro do Up, segundo informaram vendedores consultados por UOL Carros.

De janeiro a agosto, foram emplacados 5.961 exemplares em todo o País. A título de comparação, no mesmo período o Polo teve 27.506 licenciamentos - comprovando a relativamente baixa demanda pelo menor VW da gama.

Gol, Voyage e Fox mantiveram 5 lugares

VW Voyage 1.6 AT 1 - Simon Plestenjak/UOL - Simon Plestenjak/UOL
Voyage ganhou Isofix e cintos de 3 pontos em todos os lugares, sem abrir mão dos 5 assentos
Imagem: Simon Plestenjak/UOL

Vale destacar que, enquanto o subcompacto perderá um lugar, Gol, Voyage, Fox e Saveiro de cabine dupla já foram atualizados com os itens obrigatórios, mantendo as cinco posições.

Curiosamente, ao lançar o Up no Brasil, a Volkswagen investiu tempo e dinheiro para diferenciá-lo do modelo europeu e fazer da configuração nacional uma alternativa mais utilizável como carro familiar - inclusive para viagens.

Por essa razão, o Up estreou aqui com cinco lugares.

Além disso, o hatch brasileiro traz desde então tanque de combustível maior (50 litros contra 35 litros) e porta-malas mais espaçoso (285 litros ante 251 litros). Também oferece estepe de tamanho original, enquanto na Europa conta com kit de reparo.

Essas últimas características serão preservadas na linha 2021, bem como as opções de motores 1.0 de três cilindros aspirado e turbo.

É fato que em nosso mercado o Up nunca foi sucesso de vendas e jamais se aproximou dos emplacamentos de Gol e Polo.

Acabou se consolidando como subcompacto premium, com público fiel, porém limitado.

Consideravelmente menor, porém trazendo construção mais sofisticada, ele hoje é apenas R$ 1 mil mais em conta do que o Gol: a configuração básica MPI parte de R$ 51.590, contra R$ 52,5 mil do veterano. Ambos trazem o mesmo motor 1.0 flex tricilíndrico.

Nas versões turbinadas, o preço do Up chega a R$ 59.190 - praticamente o mesmo valor cobrado por um Polo 1.0 aspirado sem opcionais.

Na Europa, o Up começou recentemente a transição para se tornar um carro urbano exclusivamente elétrico. Aqui, especula-se que não terá sobrevida muito longa. O tempo dirá.