PUBLICIDADE
Topo

Como montadoras planejam alterar produção para ajudar contra o coronavírus

Divulgação
Imagem: Divulgação

Rodrigo Mora

Colaboração para o UOL

27/03/2020 04h00

Durante a Primeira Guerra Mundial (1914 a 1918), e depois novamente na Segunda (1939 a 1945), o universo automotivo funcionou ao redor dos conflitos, produzindo caminhões, armas, carros anfíbios e tantos outros artefatos que pudessem contribuir com os respectivos exércitos. Produções de automóveis e motocicletas, quando não interrompidas, foram drasticamente reduzidas.

Agora que o mundo se curva diante da pandemia de coronavírus, as montadoras trabalham, aqui e lá fora, a favor dos órgãos de saúde. No século passado unidas pela guerra, agora unidas pela paz - e também pela economia mundial.

Elemento central na crise do coronavírus são os ventiladores mecânicos, que auxiliam portadores da covid-19 em estado crítico a respirar, durante permanência nas UTIs. Funcionam como um pulmão artificial. Montadoras entram em cena ajudando a construir ou distribuir tais aparelhos.

À General Motors do Brasil caberá consertar os aparelhos quebrados, que hoje são 3 mil. "Neste momento, em paralelo ao levantamento que está sendo feito do número, localização e modelo dos equipamentos parados, estamos treinando virtualmente nosso corpo técnico voluntário e preparando salas nas operações da GM no Brasil para realizarmos os reparos na semana que vem", explica o engenheiro e gerente de inovação da empresa, Carlos Sakuramoto.

Mas não basta produzir ou consertar. "O sistema logístico das montadoras pode ajudar distribuir os aparelhos", pontua Marcelo Alves, professor do centro de engenharia automotiva e engenharia mecânica da Poli.

Pois é outra participação da GM no processo: "o objetivo é consertar 100% dos aparelhos fazendo a logística de buscar nos hospitais, levar até uma fábrica mais próxima, consertar com a mão de obra técnica voluntária treinada pelo SENAI e, depois de funcionando, o equipamento retorna para o hospital de origem para ser usado no combate ao Covid-19", afirmou a marca, que tem fábricas em São José dos Campos, Mogi das Cruzes, São Caetano do Sul (SP), Gravataí (RS) e Joinville (SC).

Focar no reparo dos aparelhos está em sintonia com um alerta de Antonio Cabral, professor da Engenharia de Produção do Instituto Mauá de Tecnologia: "em diversas unidades de atendimento existem equipamentos danificados que poderiam ser postos em marcha novamente com a substituição de pequenas peças que nem sempre são disponibilizadas pelos fabricantes. A lista de motivos começa na idade do equipamento, passa pela dificuldade burocrática para aquisição, e chega na pura e simples indisponibilidade. A Mauá participa desse processo disponibilizando o FabLab para a fabricação de pequenas peças, utilizando, por exemplo, impressoras 3D".

Que é justamente o que a PSA vai usar para confeccionar protetores faciais, outro item fundamental aos profissionais da saúde. Dois componentes deste equipamento de proteção individual (EPI) serão impressos pela própria PSA - já que a produção de carros está interrompida -, o elástico é comprado e o corte das peças é com a Fablab, uma oficina para estudantes técnicos, fruto da parceria do Senai com a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro.

Todos os insumos são fornecidos pela empresa francesa, que também entregará o equipamento nos hospitais da região de Porto Real (RJ), onde fica sua fábrica.

Para o professor Alves, o departamento mais importante das montadoras dispostas a minimizar o drama do coronavírus é o da ferramentaria. "Tornos, frisadoras e centros de usinagem podem ser reprogramados para produzir peças que compõem os respiradores".

Por isso que o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, não hesitou em disparar às montadoras do país especificações técnicas de respiradores mecânicos, para que pudessem elas também produzi-los. Rolls-Royce e Jaguar Land Rover toparam o desafio.

A Vauxhall, fabricante inglesa que hoje pertence ao grupo PSA, também estuda nesse momento como viabilizar o processo de produção dos ventiladores mecânicos. O sistema britânico de saúde pública conta com 5.900 aparelhos, e a meta de Johnson é chegar a 20.000 unidades.

Elon Musk, CEO da Tesla, doou 1.225 respiradores à cidade de Los Angeles. E disse que se houver escassez, bota a engenharia da fabricante de carros elétricos para produzir as máquinas de respiração.

A Anfavea confirmou a UOL Carros que as conversas com um grupo de montadoras estão em fases iniciais, com o intuito de se projetar uma engrenagem que funcione para auxiliar na produção dos equipamentos que auxiliem no tratamento da covid-19.

Outras áreas também poderiam ser utilizadas, segundo o professor doutor Luis Antonio Oliveira Araujo, do departamento de engenharia mecânica da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar): "vejo grande potencial para as áreas de apoio. As equipes (basicamente, formada por engenheiros e técnicos) de projeto, manufatura, qualidade e suprimentos podem colaborar fortemente no desenvolvimento de protótipos, testes, planejamento de produção e distribuição de respiradores".

No entanto, os esforços ultrapassam a esfera industrial. A Volkswagen está doando 2 mil máscaras faciais protetoras 3M PFF-2 (S) e disponibilizando 100 veículos para as quatro cidades onde mantém suas operações fabris (São Bernardo do Campo, Taubaté, São Carlos (SP) e São José dos Pinhais (PR).

A FCA confirmou que está avaliando "diversas frentes", cujos detalhes serão anunciados na próxima semana.