Topo

Cultura do carro


Kei cars: como são os carrinhos minúsculos que fazem sucesso no Japão

Pequeninos e simpáticos, os kei cars nasceram da falta de espaço no país - Vitor Matsubara/UOL
Pequeninos e simpáticos, os kei cars nasceram da falta de espaço no país
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

Vitor Matsubara

Do UOL, em Tóquio (Japão)

25/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Categoria criada no Japão por conta da falta de espaço nas cidades é popular até hoje
  • Veículos não têm mais do que 3,40 m de comprimento e motor maior do que 0,6 litro
  • Kei cars já foram vendidos no Brasil nos anos 90 e não fizeram sucesso

O Japão é um país repleto de hábitos peculiares. Isso também se reflete na indústria automotiva, traduzida na forma dos exóticos "kei cars".

Essa categoria de veículo também é conhecida como "kei jidousha" (ou "carro leve", em tradução livre) e é formada por carros minúsculos até para os nossos padrões.

Só que não basta ser pequeno: nenhum deles pode ter mais do que 3,40 metros de comprimento, 1,48 metro de largura e 2 metros de altura. As motorizações não podem ser mais do que 660 cm3 e 63 cv.

Versões para transporte de pessoas e carga são populares em Tóquio - Vitor Matsubara/UOL
Versões para transporte de pessoas e carga são populares em Tóquio
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

Apenas para comparação, um Renault Kwid tem 3,68 metros de comprimento, 1,57 metro de largura e 1,47 metro de altura.

No Brasil

Os kei cars já se aventuram no mercado brasileiro no auge das importações de veículos nos anos 90. Mas poucos modelos cruzaram o Atlântico com destino ao Brasil.

Subaru Vivio foi um dos kei cars mais famosos no Brasil - Divulgação
Subaru Vivio foi um dos kei cars mais famosos no Brasil
Imagem: Divulgação

A Suzuki trouxe o Super Carry, uma pequena van que mais parecia uma cópia da Asia Towner.

A Daihatsu investiu em dois modelos: o Cuore era um hatch vendido nas carrocerias de duas e quatro portas. Já o Terios era um simpático SUV que poderia fazer ainda mais sucesso nos dias de hoje.

O mais famoso dos kei cars, porém, foi o Subaru Vivio. Seu nome vinha de uma brincadeira com a capacidade volumétrica do motor (de 0,6 litro) em números romanos - ou seja, VIVI.

Quase um "Fitzinho"

Cara de City: N-Box é sucesso no mercado japonês - Vitor Matsubara/UOL
Cara de City: N-Box é sucesso no mercado japonês
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

Não faltavam kei cars pelos corredores do Salão de Tóquio. Um dos mais procurados durante os dias de imprensa foi o Honda N-Box, justamente o modelo mais vendido da categoria em 2018.

Apesar das linhas retas, o N-Box lembra outros carros mais conhecidos de nós. A grade frontal tem desenho parecido com a do City.

Teto alto e portas corrediças facilitam a vida dos passageiros - Vitor Matsubara/UOL
Teto alto e portas corrediças facilitam a vida dos passageiros
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

O interior também faz uso dos traços mais retos para aproveitar espaço, mas vários componentes vêm de modelos mais famosos.

As portas traseiras são corrediças e podem até vir com acionamento automático dependendo da versão.

Interior tem peças de outros modelos da Honda - Vitor Matsubara/UOL
Interior tem peças de outros modelos da Honda
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

A sensação de amplitude é diferente de tudo que estamos acostumados e causa estranheza entrar em um veículo tão pequeno por fora e tão amplo por dentro.

O N-Box parte de 1.411.300 ienes na versão mais barata, algo em torno de R$ 52.500 - o equivalente a um Chevrolet Onix LT. Seu motor é um 0.6 de 58 cv e torque máximo de 6,6 kgfm, associado a um câmbio CVT.

Dependendo da versão o kei car oferece o sistema de assistências de segurança Honda Sensing, que inclui alerta de permanência em faixa, assistente de frenagem de emergência, alerta de colisão, piloto automático adaptativo e leitura de placas de trânsito.

* Viagem a convite da Anfavea

Cultura do carro