Topo

Seu Automóvel


Seu Automóvel

Viagem nas férias: verifique o ar-condicionado para não sofrer com calor

Ar-condicionado é praticamente um vício do motorista brasileiro - Marcelo Justo/Folhapress
Ar-condicionado é praticamente um vício do motorista brasileiro Imagem: Marcelo Justo/Folhapress

Fernando Miragaya

Colaboração para o UOL, do Rio de Janeiro (RJ)

19/12/2018 07h00

Ar-condicionado virou item tão mandatório que hoje em dia o equipamento só não é encontrado de série em poucas versões de modelos de entrada -- geralmente, destinadas a frotistas que não têm muita pena de seus funcionários. E, cá entre nós, no calor seu uso é fundamental para que a cabine do carro não vire uma estufa.

UOL Carros selecionou algumas dicas de utilização e manutenção do sistema para você curtir os dias de verão em clima de montanha. Confira.

Dicas para não derreter

  • Antes de pegar a estrada

    O ideal é levar o veículo à concessionária ou a uma oficina para checar o sistema. Peça para o profissional verificar possíveis vazamentos, se as mangueiras estão ressecadas, se o compressor está funcionando, estado do filtro e a quantidade e tipo de gás refrigerante. Também vale uma checada na parte elétrica: em fusíveis e se os ventiladores estão funcionando corretamente. "Se você usa o seu ar-condicionado adequadamente, dificilmente esses componentes apresentarão problemas. Mas é bom revisar sempre", aconselha Adalberto Casalecchi, gerente de serviços da Chevrolet.

  • Sinais de problema

    Ar-condicionado que demora para esfriar, faz barulhos estranhos ou tem mau cheiro pode indicar problemas. Filtro e dutos sujos, vazamento de gás refrigerante e mangueiras ressecadas são as principais causas. A manutenção do ar é importante e diz respeito à saúde dos ocupantes. Lembre-se que o aparelho aspira grande quantidade de sujeira enquanto está ligado -- e sem manutenção adequada, todos esses microrganismos podem parar nos pulmões de quem está no automóvel.

  • Troca do filtro

    A substituição da peça deve ser realizada de acordo com a recomendação do manual. Geralmente, é feita a cada seis meses, mas se você fica muito tempo no trânsito ou roda bastante por estradas de terra, recomenda-se dar uma checada em intervalos mais curtos. Ao trocar o filtro, realize também uma higienização completa do sistema. "O filtro, embora seja muito eficaz, não é capaz de reter todas as impurezas presentes na atmosfera e, com isso, alguns microrganismos, como fungos e bactérias, acabam se alojando nos dutos que levam o ar frio para dentro do veículo", lembra Casalecchi.

  • Limpeza básica

    Use pano úmido ou um pincel macio para remover a poeira das palhetas das saídas de ar da cabine. Isso combate eventuais bactérias. O cheiro não está bom? Uma dica: ligue o aquecimento do carro na temperatura e velocidade máximas por, pelo menos, 10 minutos. Isso pode diminuir ou até dar fim naquele cheiro de velho do sistema e dentro da cabine. Essa prática, inclusive, está prevista no manual de muitos modelos.

  • Como otimizar o funcionamento do ar?

    A base do bom funcionamento é a máxima "vedação" da cabine. Os vidros devem estar fechados para que o sistema atue de forma eficiente. Antes da viagem, verifique se as borrachas de vedação das janelas estão em bom estado e sem folgas, para que não haja entrada de ar externo, o que força o funcionamento do equipamento.

  • Vou deixar o carro parado...

    O uso regular do ar previne diversos problemas de funcionamento. A dica é ligar o ar, pelo menos, uma vez por semana e por cinco minutos, para evitar o ressecamento das mangueiras, que é a maior causa de vazamento de gás, o que pode danificar o equipamento.

  • O carro ficou horas sob sol. O que fazer para o ar gelar mais rápido?

    A primeira orientação é abrir todos os vidros por um minuto para que o ar quente circule. Depois, ligue o motor e o ar condicionado (com entrada de ar externo) e rode por alguns momentos com as saídas de ar voltadas para cima -- isso vai ajudar a expulsar as partículas que ficaram acumuladas no sistema e dispersar o ar quente. Depois, acione a recirculação interna, que auxilia no resfriamento mais rápido do interior do veículo.

  • Higienização

    Algumas revendas e oficinas fazem o serviço de higienização, que consiste em jogar um spray antisséptico aerosol específico para ar-condicionado automotivo, que vai limpar e descontaminar dutos e passagens. O processo custa de R$ 150 a R$ 250, mas você pode fazer em casa: a substância tem preço entre R$ 35 e R$ 60 e pode ser encontrada em lojas de autopeças, postos de combustível, concessionárias e até supermercados -- é fundamental que tenha propriedades bactericidas. A aplicação é simples: ligue o motor do carro e o ar-condicionado no máximo, com temperatura mínima e o modo de circulação interna ativado -- e certifique-se que todas as janelas e portas estão bem fechadas. Aponte o bico para dentro da saída de ar e borrife toda a substância contida na embalagem.

  • Vai parar?

    Desligue o ar-condicionado alguns minutos antes de chegar ao destino e deixe apenas na ventilação. Isso aumenta a vida útil do filtro, já que a água do sistema condensa a umidade na cabine quando se desliga o motor com o ar em funcionamento. O hábito contribui para minimizar aquele cheiro desagradável de mofo. A propósito, mesmo nos sistemas mais modernos, não se deve desligar o veículo com a climatização ligada, pois isso força uma parada brusca no sistema e pode afetar o compressor.

  • E quando usar e não usar a recirculação?

    A recirculação deve ser utilizada sempre que for necessário resfriar o ar mais rapidamente e para você "se sentir na Sibéria" dentro da cabine. Também é recomendável quando se trafega em trechos empoeirados, túneis ou em ocasiões onde há mau cheiro, para evitar que partículas e odores invadam a cabine. Contudo, não deve-se dirigir com a recirculação ligada por muito tempo. É importante alterar para a circulação aberta para que haja renovação do ar. "Dirigir no modo de recirculação durante longo período poderá tornar o motorista sonolento. O movimento de ar fresco é reduzido no modo de recirculação. No funcionamento sem refrigeração, a umidade do ar aumenta, favorecendo o embaçamento dos vidros. A qualidade do ar do compartimento de passageiros se deteriora e os ocupantes podem se sentir sonolentos", avisa o gerente de serviços da Chevrolet.

  • Consumo de combustível

    Se você é daqueles que só falta nevar dentro da cabine, lembre-se que quanto mais frio para manter o interior do carro, mais o sistema será exigido, o que demanda mais energia do motor e mais queima de combustível. A dica para não alterar muito a média de consumo é manter a temperatura entre 21º e 23º -- ou na metade do indicador de frio do botão de temperatura nos modelos com ar manual.

Fonte: UOL Carros

Seu Automóvel