PUBLICIDADE
Topo

Primeira Classe

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Compass ou Commander? Chevrolet Equinox, afinal, é concorrente de quem?

só para assinantes
Rafaela Borges

Rafaela Borges é jornalista automotiva desde 2003, com passagens por Carsale e Estadão. Escreve sobre o mercado de veículos, supercarros, viagens sobre rodas e tecnologia.

Colunista do UOL

04/07/2022 04h00

O SUV mexicano Chevrolet Equinox regressou ao Brasil com nova roupagem e em duas versões: RS e Premier (R$ 204.990 e R$ 221.990, respectivamente). Os valores são próximos, mas estão levemente acima do cobrado pelas duas opções mais caras do líder Compass (flex), Limited e Série S (R$ 194.490 e R$ 216.990, nesta ordem).

Já do Commander de entrada (Limited Flex), o Chevrolet se aproxima - o Jeep custa R$ 223.690. Porém, fica bem abaixo do topo da linha flexível, Overland (R$ 251.990). Mas, afinal, o Equinox é concorrente de quem?

Esta é uma pergunta difícil de responder. A principal razão é que a categoria de SUVs médios, da qual primordialmente fazem parte todos esses modelos, ficou muito variada nos últimos anos. Modelos cresceram, versões de sete lugares se proliferaram, e criou-se praticamente uma subcategoria dentro desse grupo.

Difícil de explicar, mas não impossível. O Equinox não se enquadra nem no grupo do Compass, nem da turma do Commander. Ele é para clientes que precisam de um pouco mais que o Jeep menor sem, necessariamente, tudo o que o maior oferece.

Aqui, você vai entender quem é, afinal de contas, esse tal de Equinox. E por que ele está gerando tanta confusão na cabeça das pessoas quando o assunto é concorrência.

Tiguan começou essa bagunça

Na geração passada, o Tiguan era um SUV médio. E o fim de papo. Seria um rival direto do Compass, se os dois tivessem tido muito tempo para convivência. Só que o Jeep chegou em 2016, e o VW mudou de geração um pouco depois.

O modelo da Volkswagen chegou totalmente renovado e bem maior que o Compass. Além disso, trouxe o diferencial e tanto: os sete lugares em suas duas versões mais caras.

O Tiguan teve ótimo desempenho de vendas no começo, mas nunca chegou a ameaçar o Compass. No mesmo período, veio o Equinox, que foi entendido, por suas dimensões, como um modelo mais próximo do VW que do Jeep.

Porém, tinha uma falha: nada de sete lugares. Compensava isso, no entanto, com um argumento e tanto: o forte motor 2.0 turbo que o tornava mais ágil que qualquer um dos rivais.

Sete lugares virou prioridade

O Equinox foi bem no começo das vendas, mas acabou não obtendo o mesmo sucesso do Tiguan. Ausência de sete lugares? Esse é um bom argumento, mas não o único.

Fato é que o bom exemplo do Tiguan acabou levando as montadoras a investirem mais em SUVs médios de sete lugares. Logo veio o Caoa Chery Tiggo 8 e, recentemente, o Commander.

As fabricantes, no entanto, não abandonaram os SUVs médios convencionais. Afinal, os sete lugares são importantes, mas quem vende mesmo é o Compass. Por isso, a Volkswagen lançou o Taos, para ocupar o lugar do velho Tiguan.

Da Toyota, veio o Corolla Cross, posicionado abaixo do RAV4 - outro que está em um "limbo" quando o assunto é posicionamento, por também não ter os sete lugares.

Porta-malas

Quem compra um carro de sete lugares nem sempre está de olho apenas nessa versatilidade. É que esses modelos têm sempre porta-malas muito generosos, acima de 600 litros de capacidade.

Por isso, muitos clientes que procuram esses carros mais interessados no porta-malas que nas três fileiras de assentos. O Equinox tem amplo compartimento de bagagem? Não, não tem. E esta é outra razão que pode explicar porque ele não foi tão bem sucedido quanto o Tiguan.

O porta-malas do Chevrolet é equivalente ao do Compass, um pouco superior ao do Corolla Cross e inferior ao do Taos. Ou seja: porta-malas de SUV médio convencional.

Para ilustrar, são pouco menos de 470 litros de capacidade. Mas há uma solução simpática: um compartimento embaixo do assoalho para guardar objetos pequenos.

Público do Equinox

Mas se não tem porta-malas bom nem sete lugares, o que o Equinox, com todo esse tamanho, oferece? Ele é o grande destaque da categoria quando o assunto é espaço interno.

Largo e com assoalho plano, oferece amplo espaço para pernas e cabeça. É um dos poucos da categoria capaz de levar três adultos com conforto no banco de trás.

Mas de qual SUV o Chevrolet é concorrente? De todos, dependendo da versão. Minha opinião é que ele é meio do caminho entre o grupo do Compass e a turma do Commander.

É aquele carro para quem precisa de espaço interno superior ao do Compass, mas não quer pagar um Commander para isso. Com R$ 205 mil, você leva o Equinox.

Já o Commander sairá por quase R$ 20 mil a mais, na comparação com a versão de entrada do Chevrolet. Outra opção é economizar R$ 10 mil e ficar com o Compass Limited. Mas essa só será a solução ideal se amplo espaço interno não for fundamental para o estilo de vida do cliente.

Uma coisa importante a se dizer sobre o Equinox. Ele perdeu o motor 2.0. Agora, traz apenas o 1.5 turbo. Com 172 cv, não traz mais desempenhos como destaque. Nesse aspecto, está na média do segmento.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.