PUBLICIDADE
Topo

Primeira Classe

RS e-tron GT: carro mais potente da história da Audi chega ao País em 2021

Audi RS e-tron GT  - Divulgação
Audi RS e-tron GT Imagem: Divulgação
Rafaela Borges

Rafaela Borges é jornalista automotiva desde 2003, com passagens por Carsale e Estadão. Escreve sobre o mercado de veículos, supercarros, viagens sobre rodas e tecnologia.

Colunista do UOL

08/12/2020 08h00

A ofensiva elétrica da Audi no Brasil continua. Nesta segunda-feira (7), o presidente da montadora, Johannes Roscheck, anunciou que a marca trará ao País, em 2021, o RS e-tron GT. Trata-se do carro mais potente da história da fabricante.

A Audi já vende no Brasil o SUV e-tron e o SUV cupê e-tron Sportback. Para 2021, já haviam sido confirmados o e-tron Sportback S e o e-tron GT. Assim, o elétrico com assinatura RS será o quinto modelo da marca com motores movidos exclusivamente a bateria no País.

Essa diversidade faz a Audi assumir o posto de montadora que mais investe em eletrificação no mercado brasileiro. Entre as marcas de luxo, a Jaguar tem o I-Pace e a Mercedes-Benz, o EQC. No ano que vem, chega o Volvo XC40 Recharge.

A BMW foi a pioneira no segmento, com o i3. Em breve, deverá trazer mais opções 100% elétricas, como o X3. Entre as marcas generalistas, atuam no segmento Nissan, Renault, Chevrolet e JAC.

Detalhes sobre o RS e-tron GT

RS é a assinatura usada pela Audi para seus carros com preparação esportiva. Apenas neste ano, a marca lançou no Brasil as novas gerações da RS6 Avant e do RS7 Sportback, o inédito RS Q8 e os renovados TT RS, RS4 Avant e RS5 Sportback.

O e-tron GT é o primeiro elétrico com assinatura RS. Com dois motores, um no eixo dianteiro e um no traseiro, rende 700 cv de potência. Para comunicar a chegada do esportivo ao Brasil, a Audi convocou o piloto de Fórmula E Lucas di Grassi, um dos poucos que já dirigiram o carro.

O tempo que o modelo leva para acelerar de 0 a 100 km/h ainda não foi divulgado. Mas, de acordo com Di Grassi, o número é próximo ao dos carros da Fórmula E, categoria da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) dedicada a monopostos elétricos.

Di Grassi também destacou o sistema de eixos direcionais do RS e-tron GT. Eles esterçam as rodas traseiras na mesma direção das dianteiras em curvas de baixa. Nas de alta, elas vão no sentido oposto.

A estimativa é de que o RS e-tron GT leve 3,5 segundos para acelerar de 0 a 100 km/h. O modelo deverá ser rival do Taycan, que a Porsche acaba de lançar no Brasil.